260 mil chineses trabalham em Angola

A China explicou a presença de 260 mil chineses em Angola pela necessidade de mão-de-obra qualificada nos projectos de edificação de infra-estruturas, numa conferência consagrada à cooperação, com África, em que a necessidade do aperfeiçoamento da qualidade das relações entre Pequim e o continente foi declarada como “um desafio”.

O director-adjunto do Departamento dos Assuntos Africanos do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China proferiu estas declarações na abertura de uma conferência internacional da comunidade China-África sobre a “Nova Rota da Seda e a Cooperação da Media”, que decorre de 7 a 21 de Maio.

publicidade

Li Chong afirmou que a China “nunca quis enviar um número tão considerável de trabalhadores chineses para Angola”, mas o momento de reconstrução do país exigia muita mão-de-obra e, pela urgência que se impunha, as empresas chinesas recrutaram vários trabalhadores para virem trabalhar para Angola.

Nos últimos 10 anos, disse Li Chong para definir as trocas entre Luanda e Pequim, as relações entre Angola e a China basearam-se fundamentalmente na construção de infra-estruturas, um processo parcialmente inviabilizado pela crise financeira que conduz à procura de novas áreas de cooperação.

Os chineses são já a maior comunidade estrangeira residente em Angola.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Fonte: Jornal de Angola.

Deixe o seu comentário