274 jornalistas detidos em todo o mundo durante 2020

kalola Store

Em 2020 foram detidos 274 jornalistas em todo o mundo devido ao exercício da profissão, denunciou o Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) no relatório anual sobre perseguição aos profissionais da comunicação social. China, Turquia, Egipto e Arábia Saudita foram os piores países para ser jornalista este ano.

O CPJ avança que este número-recorde de jornalistas detidos surge especialmente devido à cobertura noticiosa de distúrbios civis e da pandemia da Covid-19.

“É chocante e assustador ver uma número-recorde de jornalistas detidos durante uma pandemia global”, lamenta o director-executivo do CPJ, Joel Simon, citado no documento divulgado pelo próprio Comité.

“Esta vaga de repressão é uma forma de censura que está prejudicar o fluxo noticioso e a alimentar a ‘infodemia’. Com a covid-19 a assolar as prisões de todo o mundo, também está a pôr a vida de jornalistas em risco.”

Pelo menos 274 jornalistas estavam presos a 1 de Dezembro, o maior número desde que o CPJ começou a recolher dados no início da década de 90 e o quinto ano consecutivo com pelo menos 250 jornalistas detidos no exercício da profissão.

A China com 47 detidos, a maioria na província de Xinjiang, a Turquia com 37, o Egito com 27 e a Arábia Saudita, com 24, destacam-se como os Estados que mais jornalistas prendem.

Nos Estados Unidos, não havia nenhum jornalista preso pelo seu trabalho no dia 1 de dezembro, mas o relatório destaca que ao longo do ano foram presos ou processados criminalmente até 110 profissionais, um número inédito, e pelo menos 300 foram agredidos, principalmente pelas forças de segurança durante a cobertura das manifestações.

A retórica dura do presidente Donald Trump ao longo do seu mandato, incluindo a denominação de reportagens críticas de “notícias falsas”, deu cobertura a líderes autoritários para reprimir jornalistas nos seus próprios países.

Globalmente, 34 jornalistas foram presos por “notícias falsas”, em comparação com os 31 no ano passado. O CPJ publicou recentemente recomendações para que o próximo governo de Joe Biden restaure a liderança dos Estados Unidos em liberdade de imprensa, incluindo a prioridade da questão na sua política externa e a nomeação de um Enviado Presidencial Especial para a Liberdade de Imprensa.

“O número-recorde de jornalistas presos em todo o mundo é o legado em liberdade de imprensa do Presidente Trump”, disse ainda Joel Simon, acrescentando que “o próximo governo Biden deve trabalhar como parte de uma coligação global para reduzir este número”.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.