Dia 2: A cidade de Viena

A cidade de Viena é um verdadeiro museu a céu aberto. Viena é uma cidade que consegue ser ao mesmo tempo, suave e frenética. Ontem estive na Kärntner Strasse, que é a rua de compras mais famosa de Viena, ela é totalmente voltada para o comércio com 10 quarteirões com lojas de luxo como Luis Vuitton, Rolex, Boss, Chanel, Hérmes e outras. Ela é das ruas mais conhecidas da cidade, começando na esquina com a Ringstrasse e termina na praça de Santo Estevão (Stephansplatz), onde se encontra a catedral de Santo Estevão. É nesta rua onde está a Ópera de Viena e alguns hotéis emblemáticos de Viena.
A Kärntner Strasse é uma rua pedonal com grade movimentação de turistas, também é um local com lindos bares e confortantes esplanadas. É uma rua em que se exibem muitas artistas com as suas artes e ofícios . Os vendedores de bilhetes para concertos de ópera e teatro todos eles com trajes dos séculos XVIII. Há ainda a possibilidade de um passeio numa das belíssimas carruagens com cavalos e que proporcionam agradáveis passeios por Viena.
A Catedral de Santo Estevão, é uma das mais antigas catedrais do estilo gótico europeu e está situada na Stephansplatz no centro da cidade de Viena, Áustria . Trata-se de uma obra mundialmente conhecida e um exemplo de arquitectura do século XII. Foi renovada no estilo gótico entre 1304 e 1433, possui duas torres, a torre norte com 68 metros e a torre sul com 136 metros. Actualmente é a sede da Arquidiocese de Viena. No seu interior há ainda o estilo barroco muito presente. Pagando um valor de 6 euros é possível ir até a torre sul ( utilizando um elevador ), ficando numa altura de 123 metros e apreciando a cidade de Viena. Foi Catedral de Santo Estevão que se rezou a missa de corpo presente de Mozart e foi daqui que o seu corpo saiu para o cemitério.
A Ringstrasse é a avenida mais importante da cidade e foi construída no mesmo lugar em que se encontrava a antiga muralha. Nela se encontram os edifícios mais famosos de Viena. É uma avenida circular que rodeia o centro de Viena, ela abriga grande parte das obras arquitectónicas mais significativas da cidade como o Palácio Real Hofburg, a Prefeitura, a Bolsa, o Parlamento e Museu de História de Arte. O Ringstrasse não é apenas uma rua, ela acaba por se transformar em vários trechos todos com a palavra Ring( Anel) como Opernring, Burgring, Parkring, Stubenring, Schottenring.
A Ópera Estatal de Viena (Wiener Staatsoper) é uma casa de ópera e uma companhia de ópera com uma grande história desde o século XIX. Esta localizada no centro de Viena. Os membros da Orquestra Filarmónica de Viena são recrutamos dessa orquestra . O edifício começou a ser construído em 186 e estava finalizado em 1869, seguindo os planos dos arquitectos August Sicard von Sicardsburg e Eduard van der Nüll. Foi feito num estilo neo-renascentista. Foi a primeira construção com finalidade operística em Viena. Foi inaugurado em 25 de Maio de 1869 com a ópera Don Giovanni de Wolfgang Amadeus Mozart. Entretanto, soube que o edifício não foi muito popular ao público . O público não terá gostado muito da “ousadia” dos arquitectos na construção da Ópera de Viena, tal desagrado terá chegado mesmo a corte real que por isso pressionou os tais arquitectos. Soube que os mesmos terão entrado numa grave depressão, mas certo é que aquilo que não foi entendido naquela altura, hoje está como um dos maiores símbolos e edifícios de Viena.
Depois foi a oportunidade para visitar o Naschmarkt, o mercado mais conhecido de Viena e que existe desde o século XVI. O mercado de rua mais conhecido de Viena acontece desde o século XVI, quando se vendia principalmente garrafas de leite. Desde 1793, o normal era que todas as frutas e vegetais que chegavam à cidade de carro fossem vendidas no Naschmarkt . Por volta de 1916, mais de 120 barracas foram construídas, transformando o local no maior mercado tradicional de Viena. No Naschmarkt podemos encontrar coloridas barracas de flores, carne, pão e todo o tipo de alimentos . Também é possível comer na zona , porque há dezena de restaurantes internacionais  a preços acessíveis . Aproveitei fazer umas compras, comer uma das iguarias tradicionais da Áustria, a Wiener Schnitzel (salsicha) acompanhada de uma boa cerveja. O mercado é um espaço multicultural com comerciante turcos, asiáticos e do Médio Oriente e muito animado . Ele é popularmente conhecido como “o estômago de Viena” com uma escolha variada entre a culinária austríaca e a internacional . Os aromas de ervas e temperos exóticos enchem o ar. Provei também o “Hugo” que é uma bebida tradicional pró seco que junta água com gás, hortelã e sabugueiro. É uma bebida bastante refrescante e revigorante. O mercado fecha aos domingos .
Andando com a Any Henriques, uma cidadã angolana que vive em Viena há cerca de 20 anos, que usando a sua experiência lá me ia mostrando a cidade . Um aspecto curioso é a arquitectura de Viena, fomos vendo edifícios que têm a assinatura de Otto Wagner (1841-1918), que foi um dos arquitectos mais famosos do início do século XX, período de transição dos estilos arquitectónicos e um dos fundadores na construção de cidades modernas. As suas obras com uma arquitectura clara e progressista são uma marca registada em grande parte dos edifícios de Viena. É um dos grandes responsáveis e percursores da art noveau na estrutura arquitectónica de Viena.
A noite o jantar foi no Lisboa Lounge, um espaço pertencente a um cidadão português residente em Viena. Deu certamente para “matar saudades gastronómicas ” de Lisboa, falar na nossa língua, o português, num encontro promovido pela Any Henriques com a presença da minha comadre Mitté, a Margarida ( uma elegante e simpática madeirense que trabalha em Viena), e a Marcia, uma cidadã de São-Tomé e Príncipe também residente por cá. Demos continuação da noite no bar do Stefan, onde se juntou a Marcelina, uma enfermeira angolana que vive na Áustria há doze anos. Interessante foi também conhecer a Margareth, uma austríaca que fala português e conhece bem a cultura lusófona. Uma noite interessante e com muitas vivências .
Viena tem os seus encantos e é uma cidade maravilhosa . A cidade onde me encontro . Estou “Aqui na Mukueba” a partilhar histórias e estórias dos lugares e das suas gentes.  Boa leitura.

Deixe o seu comentário