Acórdão da Operação Fizz está marcado para hoje no Campus de Justiça em Lisboa

O ex-procurador do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) Orlando Figueira, o advogado Paulo Amaral Blanco e Armindo Pires, empresário e amigo do ex-vice-Presidente de Angola Manuel Vicente, conhecem hoje o acórdão do processo cujo julgamento começou a 22 de Janeiro e que contou com mais de 60 sessões.

Os três arguidos responderam em tribunal por corrupção, branqueamento de capitais e falsificação de documentos, em co-autoria.

Na origem deste processo estão alegados pagamentos de Manuel Vicente, em cerca de 760 mil euros, e a oferta de emprego a Orlando Figueira para ir trabalhar como assessor jurídico do Banco Privado Atlântico, em Angola, em contrapartida pelo arquivamento de inquéritos em que o antigo presidente da Sonangol era visado, designadamente na aquisição de um imóvel de luxo no edifício Estoril -Sol.

Contudo, em julgamento, Orlando Figueira garantiu que foi o presidente do BPA Carlos Silva, o responsável pelo seu contrato de trabalho (nunca cumprido), afirmações desmentidas pelo ex-procurador do MP.

Contradições nas declarações levaram a procuradora do Ministério Público Leonor Machado a manifestar a intenção de extrair certidões para o banqueiro Carlos Silva e para o seu advogado Proença de Carvalho, mas ainda não foram efectuadas.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário