Agência Lusa e Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola assinam protocolo

Gearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion

A Agência Lusa e a Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola assinaram, esta quarta-feira, em Lisboa, um protocolo de parceria para potenciar o noticiário sobre as relações entre os dois países.

A Agência Lusa e a Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA) assinaram, quarta-feira, em Lisboa, um protocolo de parceria institucional para potenciar o noticiário da agência sobre as relações entre os dois países.

“As relações económicas entre Portugal e Angola existem porque há um conjunto de relações culturais e afetivas que extravasam largamente as relações económicas e são um suporte às relações comerciais”, disse o presidente da CCIPA, João Traça, acrescentando que “a Lusa pode dar um contributo muito importante para estas relações”.

Em declarações durante a assinatura do protocolo, o presidente da CCIPA disse que o objetivo da Câmara é “incentivar as relações entre Portugal e Angola no contexto bilateral, do investimento português em Angola e do investimento angolano em Portugal, não é só investimento unilateral, de Portugal para Angola, como era há 30 anos”.

João Traça vincou que “o desenvolvimento da economia angolana criou uma nova dinâmica na relação empresarial entre os dois países” e concluiu que “este protocolo mostra que a visão da Lusa é a necessidade de haver uma relação bilateral, de ir até lá [Angola], não é estar aqui [em Lisboa] parado à espera de informação, é ir lá procurar”.

A assinatura do protocolo, através do qual a CCIPA se compromete a “privilegiar a Lusa em matéria noticiosa” e a Lusa assegura uma “especial atenção” à informação da CCIPA, surge no seguimento de um acordo semelhante assinado com a câmara de comércio Portugal-Moçambique, em abril, e acontece menos de uma semana depois da visita de uma delegação da Lusa a Luanda, liderada pelo presidente da agência, Nicolau Santos.

“Uma das áreas que queremos desenvolver é a nossa operação em Angola, para o eixo Benguela Lobito, e cobertura do Huambo”, disse Nicolau Santos durante a assinatura do protocolo, esta quarta-feira, em Lisboa, vincando que o alargamento da cobertura noticiosa no país será feito com recurso ao pagamento em moeda local, para evitar o problema da saída de divisas.

Propusemos o pagamento em kwanzas e esse dinheiro não será para vir para Portugal, mas sim para ser usado na nossa operação em Angola, e para a fazer crescer e contratar mais pessoas”, disse o presidente do conselho de administração da Lusa. A informação sobre Angola, vincou Nicolau Santos, “é muito apetecível para os grandes operadores internacionais de média”.

“Há pouca informação de Angola, e queremos fazer vídeos e legendar ou dobrar em inglês para os podermos comercializar a nível internacional”, disse.

O presidente da Lusa acrescentou ter regressado de Luanda “muito contente, com muitas manifestações de apreço por parte dos colegas e empresas angolanas” e concluiu: “Esperamos que este protocolo seja a cereja em cima do bolo para consolidar estas relações, porque as relações entre Portugal e Angola não se esgotam em matéria económica, são culturais, educacionais, estão muito para lá das questões económicas e comerciais”.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.