Amazing Grace – Maravilhosa Graça Divina

John Newton (Londres, 24 deJulho de 1725- Londres, 21 de Dezembro de 1807) foi um pastor anglicano. Tendo vivido antes da sua conversão à fé cristã como um traficante de escravos, Newton tornou-se um grande defensor na Inglaterra do fim da escravidão. Em 1748, uma forte tempestade provocou o naufrágio do seu navio que transportava vários escravos. Naquele momento, Newton ficou de joelhos e orou a Deus pedindo misericórdia . Foi naquele momento que , John Newton acreditou num Deus que ouve e responde às orações feitas mesmo pelo pior dos homens . Depois disso, ele tornou-se um pregador da Palavra de Deus e escritor de hinos.

Em 1772, ele escreveu um hino chamado Faith’s Review and Expectation ( Revendo a Fé e a Expectativa), uma canção que conhecemos  como Amazing Grace (Maravilhosa Graça), ou Maravilhosa Graça Divina, como eu gosta de chamar para ser mais completo. Uma canção com apenas cinco notas mas que se tornou no maior hino de louvor cristão. Com 246 anos, Amazing Grace é toda como a canção mais gravada de sempre. Uma canção que levantou a cabeça dos desesperados e amoleceu o coração dos mais duros. Amazing Grace foi cantada por ambos os lados durante a Guerra Civil dos EUA, e usada nos funerais dos índios Cherokees após a tomada das suas terras. Defensores dos Direitos Civis cantaram-na em desafio durante as marchas pela liberdade, no dia em que Martin Luther King declarou o “seu sonho”, a 4 de Abril de 1968. Amazing Grace ecoou quando Nelson Mandela foi solto da prisão a 11 de Fevereiro de 1990. Amazing Grace também esteve em destaque na queda do Muro de Berlim em Novembro de 1989. No 11 de Setembro de 2001, Amazing Grace serviu para reconfortar corações pesarosos, mesmo após o furacão Katrina (23 -31 Agosto de 2005), o Amazing Grace serviu de conforto e alento para quem já não tinha esperanças para o futuro.

A Graça tem o poder de transformar as pessoas, de corrigir os seus erros. A Graça tornou um rude e cruel vendedor de escravos num homem temente à Deus . A Graça inspirou quem já havia caído em desgraça. A Graça fez acreditar quem lutou por justiça e liberdade. A canção tem John Newton como autor mas em termos de melodia surge o termo “desconhecido”, confirmando a teoria de que Newton terá se inspirando nos sussurro dos escravos ( soube que os escravos eram proibidos de cantar louvores a Deus, só podiam sussurrar ), a própria letra e o seu sentido está muito associado ao processo de libertação dos escravos . ” Foi a Graça que nos levou a salvo para longe e foi a Graça que nos trouxe para casa “. Mas Amazing Grace ganha outra dimensão com a intepretação de Aretha Franklin. É realmente único e tem desperta as cordas da alma, ouvir Aretha Franklin no Amazing Grace, não fosse ela e a sua inconfundível voz, uma  maravilhosa Graça Divina. A voz que era mais que um vozeirão. Era força e luta. Era um grito pela igualdade e liberdade. A mulher de 76 anos,  que morreu no passado dia 16 de Agosto, vítima de um cancro no pâncreas, era a rainha do Soul que curiosamente morreu no dia em que outra rainha, a do Pop completava 60 anos de idade.

Aretha Louise Franklin nasceu a 25 de Março de 1942 em Memphis. A mãe era cantora de gospel e pianista, o pai era C.L. Franklin, um pastor que dirigia uma igreja baptista em Detroit e era uma figura de relevo na luta contra a discriminação dos negros. Aretha Franklin conviveu desde muito nova com Martin Luther e chegou mesmo a acompanhá-lo em digressões pelo país, cantando em serviços religiosos e comícios . A mudança da família de Memphis para Detroit acontece quando Aretha Franklin tem quatro anos, crescendo no mesmo bairro que Smokey Robinson ou de Diana Ross. Aretha Franklin vivia numa casa em que os músicos chegavam para jantar e tocavam noite fora com o pai e com as irmãs Erma e Carolyn, que também cantavam (gravaram, aliás com ela) e seguiriam igualmente carreira artística. O pai, um pastor que combateu o segregacionismo, foi pedófilo (engravidou uma seguidora de 12 anos) e bateu na mulher (que o abandonou tinha Aretha seis anos). Foi com ele que ficou depois da separação dos pais ( a mãe morreu quando Aretha tinha dez anos), e fez a tal mudança para Detroit. Começou a actuar regularmente aos 12 anos, a idade com que engravidou pela primeira vez. Voltou a ser mãe aos 14 anos, quase ao mesmo tempo que editava o álbum de estreia “Songs of Faith”. Aos 18 anos assinou pela Columbia e não mais parou.

Em 1967, Aretha Franklin usou as palavras de Otis Redding para, durante dois minutos e 28 segundos, pedir respeito, Respect. A canção era conhecida, já que Otis Redding a gravara dois anos antes, com os arranjos de Aretha Franklin, a canção deixou de ser do gigante Otis Redding, deixou de ser a pequena história de um homem despeitado para se transformar num grito feminino e afro-americano, num grito de dignidade. A canção Respect, que se tornou no primeiro grande sucesso de Aretha Franklin , foi escrita pelo grande Otis Redding. Se no original, era o monólogo de um marido cansado de trabalhar, que exigia que a mulher parasse de o aborrecer . Na versão de Aretha Franklin passou a ser o grito de uma mulher que enfrenta quem não a respeita. “Toda a gente merece respeito, toda a gente quer respeito”, Respect acabou por ser a bandeira do movimento feminista, numa altura em que a palavra “empowerment” não fazia parte do imaginário da altura, surgia na canção a mulher a desafiar o seu homem. A mulher (negra) que não tem vergonha de ser mulher, que assume a sua feminilidade e exige atenção com a sua sexualidade. Curiosamente, Aretha Franklin morre a 16 de Agosto, o dia em que Madonna completa 60 anos. A mesma Madonna que duas décadas depois de Aretha vem “exigir” essa urgência sexual da mulher que não só procura como exige sexo com respeito e qualidade. Quando naquela altura canta : ” se queres uma mulher que trate do lar o dia todo, tens de tratar de mim a noite toda”, dá início a um processo de “resgate da sexualidade” por parte das mulheres.

Respect foi lançado em 1967, numa altura em que  sucediam as manifestações contra a Guerra do Vietname, quando dezenas de milhares de hippies começavam a rumar para São Francisco, os motins raciais surgiam pelos EUA e se falava da tal igualdade do género. Respect passou de um monólogo sexista para hino feminista, acabando mesmo num protesto contra a discriminação racial. “Ninguém encarna tão completamente a ligação entre os espirituais afro-americanos, os blues, o R&B e o Rock’n’Roll. Quando Aretha Franklin canta, é a história americana que jorra”, disse Barack Obama. Aretha Franklin tornou-se por mérito próprio o símbolo da luta afro-americana pelos direitos civis, rosto e voz da emancipação feminina. Cantou no funeral de Martin Luther King e foi escolhida por dois Presidentes , Bill Clinton e Barack Obama, para actuar nas respectivas tomadas de posse. Em 2005, George W. Bush atribui-lhe a Medalha Presidencial da Liberdade, a mais alta condecoração civil do país. Mas foi a imagem de um Obama comovido e a limpar as lágrimas, que fica bem na memória naquele concerto em Dezembro de 2015 no Kennedy Center, a interpretar o sucesso “Natural Woman”.

Compositora, pianista, produtora e dona de uma voz impressionante e também invejável. “Respect”, “Natural Woman”, “I Say a little Prayer”, “Chain of Fools”, “Dr. Feelgood”, “Spanish Harlem” entre muitas outras revelam muito da sua vida. Uma vida preenchida de música, de dor e luta, de amores e desamores, de quedas e superação . A mulher que pediu “Respect” e ganhou-o para a vida inteira. Vendeu mais de 75 milhões de discos , conquistou 18 Grammys e foi a primeira mulher a integrar o Rock&Roll Hall of Fame. Em 1972, deu-nos Amazing Grace, álbum duplo totalmente dedicado às raízes gospel e gravado ao vivo numa igreja de Los Angels. Aretha Franklin foi a verdadeira afirmação da Soul, cantou com verdadeira atitude e alma. Tinha autoridade nos palcos e conquistou Respect. Ter nascido num tempo em que tive a graça e o prazer de ver e ouvir Aretha Franklin, só pode ser mesmo uma verdadeira Amazing Grace. A sua voz, o seu talento, o seu percurso de milagre e transcendência fez de Aretha Franklin, uma ….Verdadeira Graça Divina.

“Forever, and ever, you’ll stay in my heart..”. Descanse em Paz.

Deixe o seu comentário