Angola diz que exploração de madeira por chineses resulta de trespasse de licenças

kalola Store

O secretário de Estado para os Recursos Florestais angolano atribuiu hoje responsabilidade a cidadãos nacionais pela exploração desmedida de madeira por estrangeiros, maioritariamente chineses, aliada ao número insignificante de fiscais para o efeito.

André Moda falava hoje em conferência de imprensa sobre a situação da exploração da madeira em Angola, alvo nos últimos tempos de várias denúncias públicas relativamente a quantidade desse recurso, alegadamente, explorado por cidadãos chineses, sobretudo no leste de Angola.

“Infelizmente, estamos a gerir situações como este comportamento de fazer uso ilegal, mesmo a presença dos estrangeiros na posse dos nossos recursos, é devido ao comportamento do próprio cidadão nacional”, disse André Moda, referindo-se à violação da lei para a exploração florestal pelos cidadãos nacionais.

A lei de exploração florestal estabelece que apenas pode ser detentor de uma licença para o efeito, o cidadão nacional ou empresas de direito angolano, sendo proibido o seu trespasse.

Segundo André Moda, para campanha florestal de 2018 o quadro deverá mudar, devido à execução da nova modalidade para a exploração florestal, que deixará de ser através de licenças para passar a contratos de concessão.

“Neste exercício de 2018 haverá penalizações, essas constatações decorrem do quadro legal antigo, que havia de facto licenças de exploração florestais cedidas a partir das províncias, não era fácil controlar, também devido aos meios humanos e de equipamentos escassos para a fiscalização”, referiu, informando a existência de apenas 326 fiscais para todo o país, auxiliados por órgãos de defesa e segurança nacionais.

Para reforçar a fiscalização, está em cima da mesa uma proposta de criação de uma polícia florestal para maior controlo das florestas do país, informou ainda André Moda.

Por sua vez, o diretor nacional para a floresta, Domingos Veloso, disse que a exploração ilegal de madeira por chineses “é um facto”, pelo que vários encontros têm sido realizados com os donos das licenças para sensibilização.

“Os estrangeiros são bem-vindos, sejam chineses, vietnamitas, portugueses, porque eles têm capital, equipamentos, coisas que não temos, mas as parcerias têm regras. Os estrangeiros, por força da Lei florestal, estão impedidos de estar presentes seja nas operações de corte, na transportação, na sua semitransformação ou na comercialização do produto”, disse, sendo apenas permitido ao parceiro estrangeiro a consultoria, assessoria ou comercialização do produto.

Contudo, a fragilidade na fiscalização da atividade leva a casos pontuais de violação da lei, disse ainda Domingos Veloso.

“Como medida, a licença na posse de um estrangeiro deve ser imediatamente apreendida e o angolano que tiver repassado essa licença deve ser impedido de voltar a beneficiar de uma licença de exploração”, avisou.

O responsável disse ainda que a campanha florestal 2017 foi afetada pela transição do modelo de emissão de licenças, para o novo de concessão de exploração, pelo que o prazo de estabelecido de 01 de maio a 31 de outubro, teve de ser prorrogado até 31 de janeiro deste ano.

De acordo com Domingos Veloso, em 2017 foram emitidas 330 licenças para todo o país, mas o número solicitações foi três vezes mais.

Nos novos moldes legais, o Estado espera para a campanha florestal de 2018 uma diminuição drástica de solicitações, tendo em conta que o regime de contrato de concessão obriga o beneficiário a realizar o repovoamento florestal, a ter uma indústria ao contrário dos requisitos para a emissão de uma licença.

“Já estamos a ver que nem todos que se dedicam a essa atividade tenham essas condições, de maneira que o número de empresas na próxima campanha vai reduzir drasticamente”, disse Domingos Veloso.

Fonte: Lusa

1 comments

Estamos a cometer o mesmissimo erro!! Quando vamos aprender a exportar os nossos produtos com o seu potecial valor? Vejamos: No passado, quando pensamos na exportação dos recursos marinhos nunca pesamos na indústria trasformadora; quando a ideia de trasformar os produtos antes da sua exportação caiu à mesa dos chamados empreendedores, ai os nossos recursos ja estavam escassos ou fora de controle de produção (impossibilidade de produzir, devido a realidade política do País). Resultado: Angola, país com uma vasta costa marítima passou a importar o paixe (produto aumentado se preferirem). Os economistas sabem de que falo!
O mesmo acontecceu com o café, cacau, algodão, so para citar alguns. E isso para não falar do produto da nossa sobrevivência enquanto nação. O petróleo, produto que conheco desde miúdo (macas da vida, não adiante aqui detalhar…talvez no meu livro “O Preto Africano, Azar e sorte mesma moeda”). Tornei-me profissioanal na área de petróleo e pude ver que o meu sonho estava encalhado nas garras de poderosos que não têm a sabedoria voltada para o bem daquele que tem em seu bolso a moeda do AZAR e SORTE.

Agora com a madeira estou vivendo um déjà vu, literalmente os angolanos estão vivendo o mesmo problema. Vender a madeira ao preço mais barato (e sem avaliaçao economica e ambiental apresentada à população angolana) quando poderiam aumentar o mesmo produto e fazer uma fortuna que também iria beneficiar aquele que tem a desgraçada moeda em seu bolso. Agora, me especializando em manipulação de polímeros naturais (modificação da madeira) vejo o meu sonho de contribuir para o pais mais uma vez encalhado no lugar que à que ja me referi

É PENA!! parece que a moeda em referencia nao está no meu bolso, ela está……….leia o meu livro e saiba onde está a moeda em referencia.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.