Angola diz que Guiné-Bissau não pode ficar “refém de caprichos pessoais” do Presidente

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto disse esta quarta-feira, em Lisboa, que a Guiné-Bissau “não pode ficar refém de caprichos pessoais” do Presidente José Mário Vaz que, três meses após as eleições, continua sem nomear o Governo.

“Não pode aquele povo da Guiné-Bissau ficar refém de caprichos pessoais. A comunidade internacional está atenta e vai aumentar a pressão”, disse Manuel Augusto.

O chefe da diplomacia angolana falava aos jornalistas à margem do encontro anual do Conselho Europeu para as Relações Exteriores, que decorreu durante dois dias em Lisboa.

publicidade

A Guiné-Bissau realizou legislativas em 10 de Março, mas o novo primeiro-ministro só foi nomeado no sábado, depois de a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) ter admitido impor sanções a quem criasse obstáculos à concretização da ordem democrática e ter imposto até domingo passado para a situação ficar resolvida.

O Presidente guineense, que domingo cumpriu cinco anos de mandato e marcou eleições presidenciais para 24 de Novembro, continua sem nomear o Governo, não tendo aprovado a lista de nomes proposta pelo primeiro-ministro Aristides Gomes.

Manuel Augusto lamentou, por outro lado, a falta de uma posição corda da CEDEAO relativamente à crise na Guiné-Bissau.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“Infelizmente, sentimos que a comunidade económica regional , a CEDEAO, está dividida e esta é uma das razões pelas quais alguns actores políticos na Guiné-Bissau tentam tirar proveito”, disse.

O governante angolano assegurou que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) está a agir, adiantando que da reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da comunidade, agendada para 19 de Julho, em Cabo Verde, sairá “uma posição muito forte”.

“Estamos optimistas que aqueles que estão a tentar impedir o processo [democrático] na Guiné-Bissau vão acabar por desistir e dar conta que não há clima para continuarem a manter um país e um povo refém de uma pessoa”, reforçou.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário