Angola : Funcionários da PGR convocam greve para 10 de Julho

Segundo o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Técnicos de Justiça e Administrativos da Procuradoria-Geral da República de Angola, Elias Pinto, em declarações à agência Lusa, a greve foi decidida no último sábado, durante a assembleia extraordinária dos funcionários da PGR.

“A assembleia aprovou a paralisação dos trabalhos na Procuradoria a partir do dia 10 de Julho e a mesma vai decorrer durante 15 dias úteis de trabalho”, avançou o responsável, acrescentado que a declaração de greve será entregue hoje à direcção.

Para além de exigirem melhores condições de trabalho, aumento salariais , promoções e reconversão de categorias, os funcionários acusam o Procurador-Geral da República de “falta de transparência e diálogo” .

Elias Pinto lembra que os trabalhadores aguardam, há mais de 15 anos, pela transição do regime jurídico e das respectivas promoções, situação que mantém funcionários entretanto licenciados a trabalhar no sector da limpeza.

“As razões da nossa greve são claras e o patronato sabe de facto das nossas preocupações, porque elas estão bem enumeradas no caderno reivindicativo, mas infelizmente somos colocados de lado”, lamentou o sindicalista.

Recorde-se que o primeiro anúncio de greve no Ministério Público angolano aconteceu em Abril, prevista inicialmente para o dia 17 do mesmo mês, mas, no entanto, foi suspensa no quadro das negociações com o patronato, conforme noticiou a Lusa na altura.

Na altura, o Procurador -Geral da República, João Maria de Sousa, disse que estava a ser realizado um estudo, sob orientação do Governo, para avaliar as formas de se atender às reivindicações, sublinhando que as soluções para as mesmas não dependiam daquele órgão de justiça, mas de outras instituições, como o Ministério da Finanças.

“As questões que nos foram colocadas foram levadas ao conhecimento do titular do poder executivo e nós pensamos que foram, em princípio, acolhidas, na medida em que foi orientado um estudo no sentido de se ver em que medida serão satisfeitas essas exigências “, referiu João Maria de Sousa.

A paralisação dos funcionários do Ministério Público junta-se à greve no Tribunal Supremo, convocada para esta semana de 3 a 7 de Julho, e no período de 17 a 21 de Julho.