Angola leva cinema e música à Bienal de Veneza

Uma delegação chefiada pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira , está já na Itália, a fim de participar na 57ª edição da Bienal de Veneza, com uma exposição que reflete a trajetória da história de Angola a partir do olhar poético do cinema e da música popular.

Quatro documentários e uma curta-metragem do artista plástico António Ole estarão em exposição, entre os dias 13 de maio a 26 de novembro de 2017, no Pavilhão de Angola.

Sob o lema ” Memória Magnética/ Ressonância Histórica “, os trabalhos de Angola incluem a exibição do filme ” Carnaval da Vitória “, produzido depois da independência, a longa-metragem ” Ritmo dos N’gola Ritmos ” , que retrata a vida de um grupo musical que nas décadas de 40 e 50 desenvolveu um trabalho político e clandestino no sentido da consciencialização pró- independência.

O documentário “No Caminho das Estrelas” , uma homenagem a António Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola. “Conceição Tchiambula  um dia, uma vida” que retrata a vida de uma camponesa que na sua luta diária para manter a família deslocada, e o ensaio poético ” Sem Título ” com enfoque em aspectos ambientais e de protecção da fauna, serão também apresentados.

Carolina Cerqueira, que é a comissária do Pavilhão de Angola ao evento, faz-se acompanhar nesta missão pela secretária de Estado para a Cooperação, Ângela Bragança, e irão juntar- se aos curadores António Ole, Maritza Silva e Paulo Kussy, entre outros angolanos, que já se encontram em Veneza.

Deixe o seu comentário