Angola prevê iniciar exploração de quatro minas de ouro este ano

Kayaya Cahala apresentou esta segunda-feira, em Luanda, numa palestra “Dados sobre a Actual Actividade do Ouro em Angola”, no âmbito da comemoração do Dia do Trabalhador Mineiro Angolano que se assinala a 27 de Abril.

Segundo o responsável, o projecto do Chipindo na província da Huíla, iniciado em 2011, é o mais importante e o mais avançado, estando a sua entrada em produção prevista para o primeiro semestre deste ano.

publicidade

Numa área de 664,30 quilómetros quadrados, a mina do Chipindo apresenta um tempo de vida útil de sete anos e vai criar 70 postos de trabalho directos.

“Neste momento é o mais importante, porque já se pode ver o ouro, a actividade de extracção já iniciou e estamos numa fase de ensaios”, referiu.

O administrador da Ferrangol referiu que estão a ser explorados depósitos secundários, com reservas de 822.500 metros cúbicos.

Também em fase avançada estão os projectos de Buco-Zau, na província de Cabinda, numa área de 322,80 quilómetros quadrados, estimando-se um tempo de vida útil de 57 anos, tendo em conta o ritmo de produção lento a imprimir na primeira fase, com previsão de entrada em produção também no primeiro semestre deste ano, antes do final de Junho.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“A mesma coisa vai acontecer com o projecto Lufo em Cabinda, que tem recursos médios de quase 150 mil onças”, disse Kayaya Cahala.

O projecto do Lufo, segundo o responsável, verifica um pouco de atraso, por isso o seu arranque está previsto para o segundo semestre deste ano, que terá a duração de 33 anos, devido também uma produção pouco volumosa.

Também com arranque previsto para o segundo semestre deste ano, em Outubro, está o projecto Tiandai Mining, no município de Nambuangongo, província do Bengo, de depósitos primários, com reservas de 1,5 milhões de toneladas.

“Com a entrada em funcionamento destes projectos prevê-se a partir de 2019 cerca de 29 mil onças, para se atingir o pico, em 2022, de 35 mil onças”, referiu.

O administrador da Ferrangol disse que são várias as intenções de investimento que o Estado recebe , mas a sua materialização é dificultada por questões financeiras.

“São várias intenções, mas o grande problema é que não é fácil os investidores comprovarem a capacidade. Vários vêm , mas depois não materializam aquilo que prometem, não vão ao âmago do problema, é o caso do Mpopo, que iniciou há muito tempo, mas que até agora não chega a uma fase de produção”, disse.

O projecto do Mpopo, na província da Huíla, um dos primeiros a ser desenvolvido, em 2009, não atingiu ainda a fase de exploração apenas por questões financeiras.

“Do ponto de vista técnico não há problema nenhum, o projecto tem estudo de viabilidade devidamente auditado, aprovado, mas a parte financeira impede o início dos trabalhos, neste momento estamos a desenvolver esforços para locarmos fundos, contratando outros grupos empresariais fortes, para poderem dar início aos trabalhos de exploração”, explicou.

Sobre o garimpo do ouro, Kayaya Cahala admitiu que se trata de uma realidade, que as autoridades têm criado condições para a segurança das áreas de actividade mineira.

“É uma questão que não podemos fugir, evitar facilmente, porque são pessoas que na calada da noite actuam. O interesse desmedido é que faz com que as pessoas não meçam esforços, enfrentam as forças da ordem e vão para as áreas e desenvolvem as actividades”, disse.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário