Angola produz mais 24 mil barris de petróleo por dia em Agosto

kalola Store

Com a subida da produção de petróleo em Agosto, Angola mantém a posição de segundo maior produtor africano de crude na OPEP, atrás da Nigéria. Segundo o relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo, divulgado ontem, em Agosto Angola produziu 1,210 milhões de barris de petróleo por dia, mais 24.000 em relação a Julho. Em Junho, a produção foi de 1,223 milhões de barris diários, vindo esta produção a baixar no mês seguinte, para 1,186 milhões de barris por dia, uma quebra de 37 mil barris por dia.

Durante praticamente todo o ano 2016 e até maio de 2017, o País liderou a produção de petróleo em África, posição que perdeu desde então para a Nigéria, que é actual líder africana na produção petrolífera, que também viu a sua produção diária crescer, para 1,482 milhões de barris, embora o seu crescimento tenha sido mais ligeiro, com cerca de mais 2.000 barris por dia.

Devido às consequências da pandemia da covid-19, com o impacto na economia e a diminuição do consumo, o Comité Técnico Conjunto da OPEP tem vindo a recomendar cortes na produção de petróleo.

Entretanto, no documento divulgado, a OPEP volta a agravar as previsões para o consumo mundial de petróleo em 2020 e 2021, devido à incerteza sobre o efeito de uma segunda vaga da pandemia na economia global.

Segundo a organização dos países exportadores, o consumo de petróleo cairá este ano 9,5 milhões de barris por dia – o equivalente a 9,5% – em comparação com 2019, mais 400.000 barris por dia do que há apenas um mês, elevando o total de consumo diário para 90,2 milhões de barris diários.

No mês passado, a OPEP já tinha reduzido as suas previsões de consumo em 100.000 barris por dia, pelo que nos últimos dois meses a organização sediada em Viena, capital da Áustria, agravou as previsões de consumo de petróleo em meio milhão de barris por dia.

Os preços do petróleo caíram de novo para níveis abaixo dos 40 dólares depois de o aumento dos contágios por covid-19 nas principais economias ter levantado dúvidas sobre uma recuperação sustentada.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.