Angola Telecom quer duplicar faturação de 2017 antes de privatizar parte do capital

kalola Store

A Angola Telecom arrecadou, em 2017, cerca de 14 mil milhões de kwanzas (53 milhões de euros), receitas que a administração prevê duplicar este ano, no quadro da derradeira fase de reestruturação e privatização de parte do capital.

A informação foi transmitida hoje à Lusa, em Luanda, pelo coordenador da comissão de gestão da empresa pública de telecomunicações angolana, Eduardo Sebastião, no âmbito do 26.º aniversário da operadora pública, que hoje se assinala, com a redução de custos e o aumento da faturação e cobranças “entre os grandes objetivos”.

“Porque estamos a fechar agora o balanço do último trimestre, os nossos dados provisórios apontam para faturação à volta dos 14 bilhões de kwanzas [14 mil milhões de kwanzas] e pensamos mesmo em aumentar e duplicar este valor em função do trabalho que temos vindo a realizar”, disse.

Associado à redução de custos e aumento da faturação e cobranças neste ano, Eduardo Sebastião apontou também a melhoria no atendimento como outros dos objetivos da sua gestão.

“Trabalhar na mentalidade dos nossos colaboradores para que a gente melhore o atendimento aos clientes. O que preocupa é essencialmente a formação dos nossos colaboradores do ponto de vista técnico e tratamento para com os clientes”, apontou.

Angola Telecom é uma empresa pública de Telecomunicações de Angola, prestadora de serviços de voz e dados, fundada a 06 de março de 1992.

Apesar de ter já uma licença global para exploração, também, de serviços da telefonia móvel, o coordenador da comissão de gestão da operadora estatal sublinhou que a questão da telefonia móvel não é prioridade da atual administração.

“A nossa prioridade imediata é a recuperação da empresa e transforma-la em autossustentável e daí sim podemos concretizar os serviços da telefonia móvel”, sustentou.

A Lusa noticiou a 01 de março que a Angola Telecom quer resgatar cerca de 150.000 clientes, que nos últimos sete anos deixaram de usar a rede fixa, contando a empresa atualmente com apenas 50.000 clientes ativos.

O coordenador da comissão de gestão da operadora estatal assume que a redução de clientes afetou o desempenho e a rentabilidade da empresa, apontando os “atos de vandalismo” de que a rede da empresa foi alvo como um dos grandes motivos da “fuga de clientes”.

“Isso fez com que a empresa tivesse perdido a capacidade de intervenção diante dos clientes e assim foi como consequência a perda de grande parte dos clientes e a par disso sabemos que a empresa não estava preparada para o ambiente de concorrência”, sublinhou.

E então, acrescentou, “alguma má atuação de alguns colaboradores também fizeram perder alguns clientes, daí que precisamos recuperar a rede e também a vertente comportamental, ou seja, aproveitar o nosso ativo para usar a 100% a nossa capacidade”.

Questionado sobre o processo de alienação de 45% dos ativos da empresa, Eduardo Sebastião disse que o trabalho está em curso.

“Esta é uma orientação do acionista Estado, que a empresa deveria ser alienada em 45%, portanto o trabalho está sendo feito, é preciso fazer-se uma avaliação do património da empresa para que depois se determine quanto vale os 45% que se pretende alienar”, concluiu.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.