António Costa escolhe Carlos Lopes Pires para director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa

O primeiro-ministro português António Costa, escolheu o diplomata Carlos Lopes Pires como director do Serviço de Informações Estratégicas e de Defesa (SIED), a secreta para as ameaças externas, solicitando a sua audição pelo parlamento, disse esta terça-feira à Lusa fonte oficial.

De acordo com a mesma fonte, o primeiro-ministro português, António Costa, solicitou à Assembleia da República que seja requerida a audição de Carlos Alberto Lopes Pinto, conforme estipula a lei, com vista à sua nomeação. Carlos Lopes Pinto é diplomata de carreira, tendo atingido o posto de conselheiro de embaixada.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

De acordo com o curriculum disponibilizado pelo gabinete de António Costa, Carlos Lopes Pinto foi adjunto do gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros Luís Amado (no Governo do PS liderado por José Sócrates), entre 2010 e 2011, e adjunto do gabinete do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, entre 2011 e 2013.

Ainda durante o Governo de Passos Coelho, Carlos Lopes Pinto foi chefe de gabinete do secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Europeus, entre Fevereiro e Julho de 2013, e chefe de gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, entre Julho de 2013 e Agosto de 2014. Entre 2014 e 2019, Carlos Lopes Pinto esteve colocado na embaixada de Portugal em Paris.

O cargo de director do SIED foi ocupado interinamente por Melo Gomes, na sequência da saída do director Casimiro Morgado, que foi nomeado, em Setembro, pela então chefe da diplomacia europeia Federica Mogherini, como director dos Serviços de Informação da União Europeia.

O SIED tem por “missão produzir informações visando a salvaguarda da independência nacional, dos interesses nacionais e da segurança externa do Estado português”, de acordo a página da Internet daquele serviço. Em suma, “assegura as informações necessárias sobre as ameaças de origem externa à segurança interna”, lê-se na mesma página.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário