As dificuldades de entrada de africanos na NBA

kalola Store

Descoordenação motora, QI (coeficiente de inteligência) baixo e excesso de individualismo figuram entre os erros mais frequentes que reduzem as chances de os jogadores africanos ingressarem na Liga Profissional de basquetebol norte-americana (NBA).

Durante a análise da questão, na noite de sábado, no programa The Scout Live2020, com o tema “Os desafios do scouting em África”, considerou-se ainda factor impeditivo a valorização do ataque em detrimento da defesa, falta de entrega, idade avançada e o excesso de vaidade.

Iniciativa do ex-basquetebolista Victor Muzadi, o primeiro de vários episódios, a terem lugar aos sábados até ao dia 25 deste mês, decorreu em directo via página do Facebook @muzadicourt.Nest, e teve como convidado especial Abel Nson, scout do Toronto Raptors.

Foram, entretanto, apontadas seis chaves para atingir o sucesso, nomeadamente, o comportamento, saber ouvir, comunicar, percepção do espaço e posicionamento, trabalhar diariamente ao máximo e ser apaixonado pelo jogo.

A acção deste sábado, desenvolvida em Português, Inglês e Francês, teve mais de 765 visualizações e 75 partilhas.

Cada talk show terá um momento informativo destinado a divulgar os modos de combate à Covid -19, a pandemia que assola o mundo.

Em declarações neste domingo à Angop, por telefone, Victor Muzade explicou que cada episódio terá a presença de convidados especiais para abordar temas desportivos actuais, contando com a interacção dos internautas.

O ex-atleta referiu que o objectivo do programa é promover o debate entre figuras do mundo desportivo nacional e internacional, no âmbito da capacitação dos jogadores africanos em busca da excelência.

Angola tem já um atleta na Liga Profissional de basquetebol dos EUA. Trata-se de Bruno Fernando, que ficou na posição 34 do Draft (sistema de escolha de jogadores), estando a evoluir no Atlanta Hawks.

Victor Muzadi realizou testes para a NBA, em 2005, pelos Dallas Mavericks, tal como Gerson Monteiro (San Antonio Spurs), Olímpio Cipriano (Detroit Pistons), Yanick Moreira (LA Clipers) e Carlos Morais (Toronto Raptors).

O antigo poste é um empreendedor desportivo de basquetebol. Enquanto atleta conquistou vários troféus africanos pela selecção nacional e pelos clubes por que passou.

Com 41 anos de idade, o embaixador da boa vontade da luta contra a tuberculose em Angola evoluiu pelo 1.º de Agosto no período de 2000/2007, Petro de Luanda (2007/2009), Interclube (2010) e ASA (2011/2013).

Fonte: Angop

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.