Banda desenhada de Marcelo D’Salete

A colecção que está patente ao público, até 11 de Agosto próximo no Centro Cultural Brasil–Angola em Luanda, intitula-se Angola Janga, e evidencia a contribuição das populações de origem africana para a formação política, económica e sociocultural do Brasil, trazendo à reflexão os seus desdobramentos até aos nossos dias.

A história do Quilombo dos Palmares, principal foco de resistência à escravidão no Brasil colonial, continua a dominar a exposição, Angola Janga do ilustrador brasileiro, Marcelo D’Salete, no Centro Cultural Brasil-Angola, em Luanda.

publicidade

Evidenciando a contribuição das populações de origem africana para a formação política, económica e sociocultural do Brasil, a mostra reúne vários quadros em banda desenhada e traz à reflexão os seus desdobramentos até aos nossos dias. Está inserida no projecto “Brasil em Quadrinhos”.

Angola Janga cristaliza também os 11 anos de dedicação do cartunista e professor Marcelo D’Salete, agraciado em 2018 como prémio Jabuti, um dos mais relevantes do universo editorial brasileiro, na categoria “Histórias em Quadrinhos” (HQ), denominação da banda desenhada no Brasil, com o troféu HQ Mix.

O projecto visa fomentar o gosto pela leitura e promover a literatura em língua portuguesa, utilizando a capacidade das bandas desenhadas de contar histórias relevantes de forma lúdica e facilmente compreensível por públicos de todas as idades.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Nesta ordem de ideias, a exposição Angola Janga e o Projecto “Brasil em Quadrinhos” procuram fomentar o intercâmbio entre artistas e apreciadores da “nona arte” do Brasil e de Angola. Angola Janga ou Pequena Angola, é o nome de código do Quilombo dos Palmares, principal foco de resistência à escravidão no Brasil colonial. Formado em finais do século XVI, em Pernambuco, por sucessivas fugas de escravos dos engenhos de açúcar, Palmares, constituiu, por mais de 100 anos, um verdadeiro reino africano em terras brasileiras, resistindo às forças coloniais portuguesas e holandesas.

Por esta razão, a data da morte de Zumbi dos Palmares viria a tornar-se o Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado anualmente no Brasil.

O artista e criações
Marcelo D’Salete, nascido em 1979, é professor, ilustrador e autor de histórias em quadrinhos. Estudou design gráfico, é graduado em Artes Plásticas e Mestre em História da Arte.

O artista publicou, em 2008, o álbum Noite Luz (Via Lettera) no Brasil e Argentina, com histórias urbanas envolvendo uma casa noturna.

Cumbe (Veneta), de 176 páginas, que foi publicado em 2014 em Portugal, França, Áustria, Itália e EUA (Fantagraphics), aborda o período colonial e a resistência negra contra a escravidão no Brasil. Cumbe foi seleccionado pelo PNLD literário de 2019 para o Ensino Médio, Plano Ler como recomendação de leitura para escolas de Portugal e premiado no Eisner Awards 2018 na categoria Best US Edition of International Material

Encruzilhada (Veneta) de 160 páginas, reeditado em 2016, trata de violência, jovens negros e discriminação em grandes cidades. Angola Janga – Uma história de Palmares (Veneta, 432 páginas, 2017) aborda os antigos mocambos da serra da Barriga, mais conhecidos como Quilombo dos Palmares. No Brasil, Angola Janga foi agraciado com o Prémio Grampo Ouro 2018, HQMIX 2018 e Jabuti 2018. A obra foi seleccionada pelo PNLD literário de 2019 para o Ensino Médio. O livro foi publicado também na França, Portugal, Áustria e Espanha. Premiações Angola Janga – Jabuti 2018, Grampo Ouro 2018 e HQMIX 2018 (em quatro categorias). Cumbe (Run for it, Fantagraphics) – Eisner Awards 2018

Principais Exposições
Marcelo D’Salete – A história negra em quadrinhos (individual), Museu Afro-Brasil, Novembro de Quadro negro (individual), CCJB, Março de 2018.

Brasil: Um país ou-maravilhoso, Amadora BD, Portugal, Novembro de 2018. Pretatitude – Arte afro-brasileira contemporânea, Sesc Ribeirão Preto, Fevereiro de 2018, Seis esquinas de inquietação, Amadora BD, Portugal, Novembro de 2014.

Fonte: O País

Deixe o seu comentário