Central fotovoltaica vai começar a ser construída em Outubro

kalola Store

A central com capacidade para 26 megawatts começará a ser construída em Outubro próximo, em Saurimo, na Lunda Sul, para suprir o défice de energia da região.

O projecto apresentado esta quinta-feira está inserido no programa do Ministério da Energia e Águas, que pretende construir sete centrais fotovoltaicas em igual número de províncias do País.

Orçadas em 539 milhões de euros, as obras do projecto deverão durar 17 meses.

Na cerimónia, o administrador municipal de Saurimo em exercício, Francisco Guerra, disse que a construção da central fotovoltaica vai permitir elevar a oferta de energia, uma vez que estão apenas disponíveis 16 MW.

Projecto de interligação com Norte do País

O secretário de Estado da Energia, António Belsa da Costa, esclareceu que o projecto de interligação do sistema norte, a partir de Malanje, com o Leste do país (Lunda Norte, Moxico e Lunda Sul) aguarda por recursos financeiros.

O projecto, que é uma das prioridades do Ministério, contará com uma linha de transporte e uma subestação de 400 e 220 megawatts.

Cláudio Pemessa, director do gabinete provincial das infra-estruturas e serviços técnicos da Lunda Sul, lembrou que o município de Saurimo necessita de 70 megawatts de potência, para melhorar o fornecimento de energia eléctrica aos consumidores e promover o crescimento da actividade económica.

A província dispõe de 16 megawatts, produzidos pela barragem hidroeléctrica do Chicapa, que não são suficientes para uma população estimada em mais de 534.231 habitantes.

A energia consumida em Saurimo é proveniente das centrais térmicas do Txicumina (5 megawatts) e da Greco (11 megawatts). A barragem hidroeléctrica do Chicapa 1, que tem capacidade de 16 megawatts, disponibiliza apenas 4 MW para a cidade.

Os habitantes de bairros sem energia eléctrica deverão aguardar pela conclusão da central térmica do Txicumina, com quatro grupos geradores de 5 megawatts cada, prevista para este ano.

Com Angop

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.