China torna-se primeiro país a aterrar no lado “oculto” da Lua

kalola Store

A China tornou-se hoje o primeiro país a aterrar uma sonda no lado mais afastado da Lua, a Chang’e-4, informou a televisão estatal, ilustrando os ambiciosos planos espaciais do país.

A sonda Chang’e-4, que é o nome da deusa chinesa da Lua, pousou no satélite natural da Terra, às 10:26 em Pequim (4:26 em Luanda).

O Chang’e-4 foi lançado no sábado do Centro Espacial de Xichang, sul da China.

Em 2013, a China conseguiu fazer aterrar uma sonda espacial na Lua, pela primeira, numa proeza só realizada até então pela antiga União Soviética e pelos Estados Unidos. Mas a nova missão da agência espacial chinesa é a primeira a enviar uma sonda e um veículo robotizado para o lado oculto da Lua, o hemisfério lunar que não pode ser visto da Terra.

Em Maio, a China tinha já lançado um satélite de retransmissão para assegurar a comunicação entre os controladores e a sonda lunar Chang’e-4.

O objectivo é testar o crescimento de plantas e captar sinais de radiofrequência, normalmente bloqueados pela atmosfera terrestre. A missão ilustra ainda a crescente ambição de Pequim no espaço, símbolo do progresso do país. Este ano, Pequim planeia ainda iniciar a construção de uma estação espacial com presença permanente de tripulantes e, no próximo ano, enviar um veículo de exploração a Marte.

Em 2020, a China planeia ainda enviar a sonda Chang’e-5, com o objectivo final de regressar à Terra com amostras de matéria recolhida na Lua. A verificar-se será a primeira missão do género desde 1976.

Até agora, o país realizou também cinco missões tripuladas, a primeira em 2003 e a mais recente em 2013, enviando para o espaço dez astronautas ( oito homens e duas mulheres). A primeira tentativa da China entrar na corrida espacial foi no final dos anos 1950, como resposta ao lançamento do Sputnik 1, o primeiro satélite em órbita lançado pela União Soviética.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.