Cônsul honorário de Portugal iniciou ontem funções em Cabinda 20 meses depois da nomeação

O novo cônsul honorário de Portugal na província angolana de Cabinda entregou ontem as cartas credenciais às autoridades locais, entrando, assim, em funções num cargo para que foi nomeado por despacho em 13 de dezembro de 2016.

As cartas credenciais de António Gonçalves Morgadinho, empresário, foram entregues ao governador provincial de Cabinda, Eugénio Laborinho, numa cerimónia que decorreu no salão nobre do governo local.

Fonte diplomática portuguesa em Luanda disse à agência Lusa que todo o processo decorreu dentro dos procedimentos temporais normais e que, para Portugal, é “muito importante” a existência de um consulado honorário em Cabinda.

Segundo a fonte, vai permitir apoiar a população portuguesa que vive no enclave, bordejado a norte, leste e sul pela República Democrática do Congo (RDC) e a oeste pelo oceano Atlântico, e onde residem cerca de 150 cidadãos nacionais.

O nome do novo cônsul honorário em Cabinda foi aprovado por despacho do Ministério dos Negócios Estrangeiros português em 13 de dezembro de 2016, tendo sido nomeado em 23 de janeiro de 2017 A decisão foi publicada no Diário da República de 01 de fevereiro do mesmo ano.

António Gonçalves Morgadinho, que já foi dirigente da equipa de futebol local, Sporting de Cabinda, tem jurisdição sobre a província e depende do Consulado-Geral de Portugal em Luanda.

Ontem , segundo a agência noticiosa angolana Angop, na cerimónia de acreditação, o governador provincial manifestou-se otimista quanto ao desempenho do cônsul, devido ao “conhecimento que possui da província e a sua experiência de vida”.

Eugénio Laborinho manifestou também satisfação pelo trabalho que o novo cônsul pode fazer em favor da comunidade portuguesa e do reforço dos laços de amizade e cooperação entre os dois povos e Estados, “tendo em conta as relações históricas e fraternais entre Angola e Portugal”.

Na ocasião, Eugénio Laborinho agradeceu às empresas de construção civil portuguesas pelo apoio que prestam ao governo de Cabinda e às comunidades locais.

A tomada de posse do novo cônsul honorário de Portugal em Cabinda, que dependia da “luz verde” das autoridades angolanas, aconteceu três dias depois da visita que o primeiro-ministro português, António Costa, efetuou a Angola.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário