Debate sobre a liberdade de imprensa

 

kalola Store

Makuta Nkondo, antigo jornalista, defende que não há liberdade de imprensa em Angola e que as redacções estão “contaminadas” por “bófias” que precisam de ir para a “fogueira”. Altino Matos (jornalista do Jornal de Angola e professor universitário) e Faustino Henriques (representante do Sindicato dos Jornalistas) são de opinião que Angola está a subir na Liberdade de Imprensa, mas admitem que é preciso alterar o pacote legislativo da Imprensa Angolana. Carlos Alberto (jornalista de investigação e professor de Fonética e Fonologia, também Membro do Conselho de Direcção da Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana, ERCA) defende que só pode haver maior Liberdade de Imprensa em Angola quando todos os angolanos souberem, abertamente, a linha editorial de cada órgão, os nomes dos proprietários dos órgãos, quando se investir de forma despartidarizada na formação contínua de jornalistas, quando os jornalistas tiverem compromisso com a verdade, honestidade e integridade intelectual e menos com dinheiro.

 

Para Carlos Alberto, o pacote legislativo da Imprensa Angolana é um atentado contra a Liberdade de Expressão em Angola. Alexandre Solombe (jornalista) mostra o seu cepticismo com a abertura dada à imprensa pelo actual presidente da República João Lourenço. Confira isto e outros pontos neste Debate sobre Liberdade de Imprensa em Angola realizado no sábado, 28 de Abril, na rádio MFM, com moderação do jornalista João Pinto.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.