Dia 1: A viagem

Já estou em Viena, capital de Áustria para participar das actividades alusivas ao Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP, que se assinala neste sábado, 05 de Maio. Fui convidado pela Sociedade Austro-Portuguesa para apresentar o meu audiolivro “Vivências -o que espera a vida ?”, apresentar a Vivências Press News, o espaço O Mundo Em Duas Sintonias, e promover a revista Mukanda junto da comunidade angolana em Viena (Áustria) e em Bratislava (Eslováquia).

Deixei Lisboa quando eram 8 da manhã, mas antes tive uma longa maratona a preparar a mala e organiza os livros. Contei com o apoio da esposa e com “interrogatório matinal” do meu filho mais velho, o Guilherme Laureano, que ia tentando saber de tudo sobre a viagem . No final, assumiu o cargo temporário de homem lá da casa, dando sinais de irá aplicar sérias punições ao seu irmão Gabriel e ao primo David.

No aeroporto Humberto Delgado em Lisboa, um agradável e inesperado encontro com o Euclides Oliveira, um antigo colega dos tempos da Universidade Católica de Angola. Um momento para matar saudades , falar da nossa Angola e oferecer-lhe uma Mukanda.

A viagem foi tranquila e estive sentado ao lado de jovens eslovenos, que visitam Viena numa memorável viagem cultural. Como iam falando também em inglês, lá ia “apanhando ” algumas conversas. Ainda no avião pude constatar algo interessante: a TAP está com uma anúncio muito original, em que coloca cidadãos de várias nacionalidades comunicando em português as regras de segurança a bordo . Adorei .

Depois de termos sobrevoado Lisboa, Madrid, Barcelona, Génova e Milão, lá chegamos a linda cidade de Viena . A cidade tem encantado vista ainda de cima . O majestoso rio Danúbio visto ao alto é de uma sensação indescritível, a história de Viena passa obrigatoriamente pelo Danúbio.

O Danúbio é o segundo rio mais longo da Europa (depois do Volga), passa por diversas capitais europeias e constitui a fronteira natural de dez nações. Quem visita Viena tem de “se dar encontro ” com a majestade e história do Danúbio .

Fiz uma pequena tour por Viena e gostei da cidade . O centro histórico de Viena é impressionante e envolvente. Visitei a Biblioteca Nacional de Viena que tem já 650 anos e que vem ainda dos tempos do império Austro-húngaro. Está localizada num edifício imponente , muito visitado por estudantes e turistas . Áustria é um país que do ponto de vista da sua posição geográfica é central e que em termos políticos é um país neutral .

 

O Centro Internacional de Viena, coloquialmente conhecido como Cidade da ONU em Viena, é o campus e complexo de edifícios que hospeda organizações das Nações Unidas. O DC Tower fica perto do Centro Internacional de Viena , é o edifício mais alto de Viena e trata-se duma interessante obra de arquitectura e engenharia. O restaurante no piso 57 permite ter uma panorâmica sobre toda a cidade.

Terminei o primeiro dia de viagem visitando a parte externa da Embaixada de Angola na Áustria, devidamente trajado “à Mwangolé “, e registei o momento. Um momento em que vendo a nossa bandeira hasteada funciona como uma espécie de reinvenção identitária e afirmação da nossa identidade. É um momento que nos faz desperta o orgulho em ser angolano.

Um abraço também a minha amiga e conterrânea, a Teresa Bento, uma angolana que estando cá em missão diplomática, tem sido uma óptima cicerone. A Ângela Simões e a Any Henriques, todas elas mulheres angolanas que foram responsáveis pela minha visita a histórica, emblemática e cultural Viena.

Estou aqui na Mukueba!

Deixe o seu comentário