Dilma Rousseff pede apoio a Espanha para libertar Lula da Silva

A antiga Presidente do Brasil Dilma Rousseff pediu este domingo o apoio dos partidos políticos, sindicatos e sociedade civil espanhola para conseguir a libertação do ex-Presidente Lula da Silva e acusou o actual Governo de manipular a verdade.

“Lula é inocente …Nesta democracia, a primeira vítima é a verdade”, afirmou Dilma Rousseff durante a sua participação nas comemorações dos 130 anos da UGT em Madrid, onde protagonizou uma demonstração de apoio à Lula da Silva.

publicidade

Dilma Rousseff agradeceu o apoio da UGT (União Geral dos Trabalhadores) e do seu secretário-geral, Pepe Álvarez, que tem agendada uma visita, em 10 de Outubro, a Lula da Silva, na prisão.

A antiga Presidente brasileira reiterou que o Presidente Jair Bolsonaro participou num golpe de Estado disfarçado, face a um possível retorno de Lula da Silva ao poder, apesar de “não ter havido tanques nas ruas”.

O golpe de Estado de Bolsonaro foi feito com ataques “progressivos à democracia, ao sistema judicial e ao sistema parlamentar”, defendeu.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“Estamos perante um padrão diferente de golpe de Estado, com outra forma e outra acção”, disse, alertando para que o Brasil está a presenciar o emergir do neofascismo e da agenda neoliberal.

Rousseff acusou também o actual Governo de não proteger os direitos dos trabalhadores e de se dedicar a fazer reformas laborais “duras” e “a desnacionalizar” as empresas públicas.

Segundo Dilma Rousseff, Bolsonaro quer vender a Petrobras, empresa que, na sua opinião, é “a joia da coroa do Brasil”, já que conseguiu produzir tecnologia própria para extrair petróleo de alta qualidade, sublinhando que isso aconteceu durante o seu mandato e o de Lula da Silva.

Rousseff também acusou Bolsonaro de “destruir deliberadamente” a Amazónia para “vender madeira” e lembrou que “o Brasil sem a Amazónia não é Brasil”.

A vice-primeira-ministra espanhola, Carmen Calvo, que encerrou as jornadas de aniversário da UGT, admitiu que o Governo de Madrid está “preocupado com o progresso dos discursos da extrema-direita em todos os países do mundo e também no Brasil”.

Carmen Calvo desejou à antiga Presidente do Brasil “muita sorte e muito ânimo para o trabalho que faz no seu país”.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário