Embaixador Carlos Alberto Fonseca vaticina uma “boa visita” de João Lourenço a Portugal

O embaixador da República de Angola em Portugal, Carlos Alberto Fonseca, afirmou esta terça-feira que a visita do Presidente de Angola a Portugal, este mês, visa fortalecer e ampliar as relações entre os dois países, vaticinando que será “uma boa visita”.

“[ Há] expectativas imensas nas relações entre os dois países. As expectativas são tão grandes quanto as possibilidades que há de cooperação entre os dois países”, disse o embaixador em declarações à imprensa, em Lisboa, à margem da cerimónia de comemoração do Dia da Independência Nacional.

“Os objectivos são sempre aqueles de fortalecer, consolidar e ampliar cada vez mais as relações de amizade e cooperação”, disse, Carlos Alberto Fonseca, sobre a visita de João Lourenço a Portugal, que será recebido na Assembleia da República, em Lisboa, em 22 de Novembro. O diplomata angolano lembrou que esta é uma posição “constante da política externa de Angola e uma constante da política e da relação entre os dois países”.

Inicialmente prevista para 23 e 24 de Novembro, o Parlamento português formalizou, no início deste mês, a realização de uma sessão extraordinária de boas vindas ao chefe de Estado angolano, João Lourenço, no dia 22.

“Vai ser uma boa visita, vai ser uma boa visita. Disso podem ter a certeza absoluta”, vaticinou o embaixador.

Durante a cerimónia que assinalou os 43 anos da independência de Angola, em 11 de Novembro de 1975, o embaixador angolano sublinhou a importância da independência nacional.

“O Estado angolano soube preservar a sua soberania, a unidade da nação e a identidade territorial do país, evoluindo em processos inerentes à sua própria de afirmação e as transformações da sociedade”, assinalou Carlos Alberto Fonseca no seu discurso.

Na celebração em Lisboa, o embaixador sublinhou a crescente a importância de Angola nas relações externas.

“O Estado angolano também tem contribuído para a transformação do mundo de forma activa, quer fazendo ouvir a sua voz ao nível da concertação política nos mais distintos fóruns internacionais da diplomacia bilateral, quer agindo como um factor de paz e estabilidade, assim promovendo a democracia e o desenvolvimento dos espaços geopolíticos em que está inserido”, declarou o diplomata angolano.

Na óptica de Carlos Alberto Fonseca, o actual estado de Angola envolveu, antes, uma capacidade de adaptação às várias fases que o país viveu nos últimos 43 anos .

“Hoje somos um país soberano, independente . Um país livre e democrático com bases económico-sociais que se reconstruiu depois de grandes vicissitudes históricas”.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário