Enfermeiros de Luanda em greve após falta de acordo com Governo Provincial

O secretário-geral do Sindicato dos Técnicos de Enfermagem de Luanda (Sintenfl) confirmou esta sexta-feira o início, na segunda-feira, de uma greve por tempo indeterminado, depois de o último encontro com o Governo Provincial, na quinta-feira, não ter produzido resultados.

Em declarações à agência Lusa, Afonso Kileba explicou que as partes estiveram reunidas por cinco horas para abordar questões relacionadas com a declaração de greve, que visa reivindicar, entre outras preocupações, o pagamento de retroactivos referente à carreira de enfermagem, a promoção dos profissionais com mais de cinco anos de serviço e a realização de concursos públicos internos para os técnicos que aumentaram os seus níveis académicos na área.

Segundo o sindicalista, ficou acordado no encontro de quinta-feira que no dia do arranque da greve será realizada uma assembleia, em que a entidade patronal deverá esclarecer aos filiados as soluções para as suas reivindicações.

“A entidade empregadora é que vem falar com os nossos filiados das matérias ligadas às reivindicações e é a partir desta assembleia que vai ter a autoridade de suspender ou não a greve. Senão a greve nas primeiras horas vai decorrer mesmo “, explicou.

Acrescentou que o encontro de quinta-feira “não surtiu efeito, não foi convincente” e sugeriu à entidade patronal participar da referida assembleia, “para esclarecer aos funcionários o que têm a dizer”.

Participaram no referido encontro Afonso Kileba, acompanhado de mais 14 membros da comissão negociadora, enquanto da parte da entidade empregadora liderou a representação o vice-governador para a área económica, Júlio Bessa, acompanhado da directora provincial da Saúde de Luanda, Rosa Bessa, o director do gabinete dos recursos humanos do Governo Provincial de Luanda e dois juristas.

“Em momento nenhum nós dissemos que a greve está suspensa, não houve nenhuma informação sobre isso, apenas a convocação da assembleia para segunda-feira”, reafirmou.

Relativamente ao período da greve, Afonso Kileba referiu que a duração dependerá da celeridade que o Governo terá para atender às preocupações apresentadas.

O Sintenfl conta com um total de 6.000 filiados actualmente, mas está em processo de actualização, devido aos casos de morte e de reformas.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário