Europa premeia filme animado sobre guerra em Angola

A guerra civil em Angola teve lugar de destaque nos Prémios do Cinema Europeu, entregues em 2018 na cidade espanhola de Sevilha.

” Mais um Dia de Vida”, baseado no livro homónimo do jornalista polaco Ryszard Kapuscinski, que é considerado um dos maiores repórteres do século XX, recebeu o galardão para melhor filme de animação .

publicidade

“Agradeço à Academia [de Cinema Europeu] e, claro, à nossa grande equipa internacional, com artistas da Polónia, Bélgica, Espanha, Hungria e Alemanha: 500 pessoas! Adoro-vos, vocês são os melhores!”, disse Damian Nenow, realizador.

A co-produção europeia, que mistura desenhos animados e filmagens reais, resulta de uma colaboração do cineasta polaco Damian Nenow com o realizador de documentários espanhol Raúl de la Fuente.

“Ele veio ter connosco e disse: vamos fazer um filme de animação, misturado com documentário. Pensávamos que era uma loucura, que não podia ser mais louco. Mas depois, quando se conhece a escrita de Kapuscinski, parece tão natural misturar ficção e poesia com factos e com a verdade indiscutível… E foi isso que fizemos, apesar de ser arriscado”, concluiu Nenow.

Parte da selecção oficial de Cannes e premiado pelo público no Festival de Cinema de San Sebastián, no País Basco espanhol, “Mais um Dia de Vida”, já passou também pelo grande ecrã em Portugal.

Em Angola o filme foi apresentado no dia 20 de Novembro no Cinemax de Talatona (Belas Shopping), numa iniciativa do Ministério da Cultura em parceria com as embaixadas da República da Polónia e do Reino de Espanha.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Estas são recordações, tal como relatadas por Ryszard Kapuscinski no seu livro de 1976, que serviram de argumento ao filme do espanhol Raul de la Fuente e do polaco Damian Nenow.

A obra combina 60 minutos de acção animada com 20 minutos de imagem documental real , abordando não apenas a guerra civil, mas também a invasão sul-africana e a declaração de independência de Angola por Agostinho Neto e o MPLA.

“O conflito em Angola foi um dos trabalhos mais extraordinários de Ryszard Kapuscinski”, defende fonte da produtora e distribuidora Midas.

Fonte: Euronews.

Deixe o seu comentário