Fernando Teles compra quintas de falido líder da Casa do Douro

O leilão estava marcado para a passada sexta-feira, 8 de Fevereiro, mas foi anulado. Afinal, os bens que iriam à praça tinham sido já vendidos, cerca de uma semana antes, ao banqueiro Fernando Teles.

Em causa estava a alienação das duas quintas durienses do falido Manuel António Santos, último presidente da Casa do Douro, cuja natureza pública foi extinta em Dezembro de 2014, tendo deixado uma dívida ao Estado de 160 milhões de euros.

publicidade

Os credores de Manuel António e sua mulher aceitaram a oferta de 1,9 milhões de euros de Fernando Teles, o novo dono da Quinta da Boa Vista e da Quinta da Ponte, com 25 hectares, dos quais 23 de vinhas, localizadas em Vilarinhos dos Freires, no concelho de Peso da Régua. Ambas não foram granjeadas nos últimos dois anos, pelo que perderam direito a produzir vinho do Porto.

Contactado pelo Negócios, Fernando Teles não quis falar sobre a sua última aquisição: “Não tenho que falar dos meus investimentos”, reagiu. No rol dos lotes que o empresário comprou, em sede deste processo de insolvência, contam-se, ainda, quatro pequenos terrenos, o mais caro estava avaliado em pouco mais de 34 mil euros e o mais barato, com uma área de 750 metros quadrados, em 450 euros.

Os activos do antigo presidente da Casa do Douro acabaram por ir parar às mãos de Fernando Teles depois de uma primeira tentativa de alienação, que não teve sucesso devido a ter recepcionado propostas abaixo dos valores mínimos ficados pelos credores.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Desta vez, teriam ido a leilão com valores-base de 1,4 milhões de euros e de 773 mil euros, nos casos das quintas da Boa Vista e da Ponte respectivamente.

Estatal Parvalorem é o principal credor

O valor de 1,9 milhões de euros recuperados pela massa falida do casal insolvente corresponde a pouco mais de metade dos créditos de 3,6 milhões de euros reclamados por nove entidades.

O maior credor, que reclamou 1,5 milhões de euros e requereu a insolvência de Manuel António, é a Parvalorem, sociedade estatal que ficou com os activos tóxicos do Banco Português de Negócios ( BPN), instituição que foi comprada pelo BIC em 2012 por 40 milhões de euros.

Acontece que o BIC, que foi entretanto redenominado EuroBic, tem como principais accionistas a empresária angolana Isabel dos Santos e o luso-angolano Fernando Teles, os mesmos do BIC Angola.

Fernando Teles preside à instituição angolana e é administrador não executivo na portuguesa, que é presidida por Teixeira dos Santos, que era ministro das Finanças quando o BPN foi nacionalizado em 2008.

Fernando Teles : De Arouca para Angola aos 14 anos

Fernando Leonídio Mendes Teles nasceu em Alvarenga, freguesia de Arouca, há 66 anos. Filho de agricultores, tinha seis anos quando o seu pai morreu aos 33.

Aos 14 anos, o seu irmão mais velho chamou-o para Angola. Pouco tempo depois, começou a trabalhar no antigo Banco de Crédito Comercial e Industrial. Passou por cinco bancos, tendo criado do zero o Banco de Fomento de Angola (BFA), onde 48% do capital ainda é detido pelo BPI , instituição que Fernando Teles abandonou com a venda, há um ano, da sua participação por 6,4 milhões de euros.

Criou o Banco BIC em Angola e em Portugal (o actual EuroBic), mantendo-se como segundo maior accionista de ambas as instituições . Dono de grandes explorações agropecuárias em Angola, também tem investido nesta área em Portugal. Entre outras produções, cria gado arouquês e porcos, e produz vinho verde .

Fonte: Negócios.

Deixe o seu comentário