Isabel dos Santos banida da cimeira de Davos

Os grandes bancos estão a recusar ter relações comerciais com Isabel dos Santos e com o marido Sindika Dokolo e o Fórum Económico Mundial terá riscado o nome da empresária da lista de participantes que vão estar, já a partir desta terça-feira, em Davos para a mega cimeira onde são esperados 50 chefes de Estado e de Governo e cerca de 2.800 participantes.

A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian que faz parte do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação que este domingo fez várias revelações que envolvem o nome da filha do ex-Presidente de Angola.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Segundo este consórcio de jornalistas, no último terço do seu mandato à frente da Sonangol, até Novembro de 2017, Isabel dos Santos fez com que a petrolífera estatal angolana, para a qual tinha sido nomeada pelo pai, o então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, transferisse mais de 100 milhões de dólares de fundos públicos para uma empresa no offshore do Dubai.

Esta empresa aparentemente terá ligações a Isabel dos Santos. Daquele montante, cerca de 57 milhões de dólares foram pagos em três transferências executadas já depois de a empresária angolana ter sido demitida da petrolífera por um decreto do então recém-eleito Presidente, João Lourenço.

Esta notícia surge depois de, no final do ano passado, o Tribunal Provincial de Luanda ter ordenado o arresto preventivo de vários bens de Isabel dos Santos, em Angola. A Justiça angolana também ordenou que fossem congeladas contas bancárias do casal Isabel dos Santos e Sindika Dokolo.

O jornal The Guardian escreve que, à medida que vão sendo conhecidos os escândalos a envolver a família Dos Santos, os grandes bancos têm evitado relações com o casal, por indicação de departamentos de compliance que temem ficar associados a casos de corrupção. Conta o jornal britânico que no caso de Sindika Dokolo, pelo menos desde 2001, que não consegue abrir contas bancárias em Londres e em Paris.

Outro sinal de que a comunidade internacional está a evitar relações com a família Dos Santos vem de Davos, a localidade nos Alpes Suíços que esta semana recebe milhares de pessoas que vão participar no Fórum Económico Mundial.

Conta o jornal britânico, que o nome de Isabel dos Santos “foi riscadoda lista de participantes do Fórum Económico Mundial que arranca amanhã e junta grandes empresários, bancários, banqueiros centrais, políticos, activistas, sociedade civil, etc… o ECO consultou o site da organização do evento e de Angola eram aguardados três participantes: um deles ligado ao sector energético/ambiental, outro às tecnologias de informação e um terceiro identificado como uma “figura pública”.

A Unitel, empresa de telecomunicações angolana, é uma das patrocinadoras desta reunião em Davos, mas a organização já veio avisar que está “a reavaliar a sua participação”.

Em Março de 2019, foi noticiado que a Unitel, detida em 25% por Isabel dos Santos, tornou-se na principal empresa angolana a integrar a lista de Parceiros do Fórum Económico Mundial (WEF, na sigla inglesa). O WEF apresentava a Unitel International Holding como “uma companhia telefónica pan-africana, operando uma rede baseada nos padrões GSM e UMTS, oferece comunicações de voz, texto e mensagens multimédia, bem como acesso à internet no telemóvel, e cobre todas as cidades de Angola desde 2011, tendo ainda investido recentemente noutros países africanos”.

Fonte : ECO.

Deixe o seu comentário