João Lourenço aperta cerco a fortunas angolanas

O Presidente da República, João Lourenço, tem um plano para recuperar os milhões angolanos dispersos em grandes fortunas pelo Mundo, que poderá passar pela cativação forçada de contas e activos, muitos deles pertencentes a antigos responsáveis do Governo de José Eduardo dos Santos e seus familiares.

Casos de Isabel dos Santos, Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino” e de Hélder Vieira Dias “Kopelipa” , este último teria alegadamente, mais de 400 milhões de euros em Portugal.

Numa grande entrevista ao Expresso, publicada ontem, o líder angolano frisou que “processo será longo” e seguramente não terminará em Janeiro de 2019, fim da moratória de seis meses concedida para a repatriação voluntária dos capitais. Angola estima que 24 mil milhões de euros estejam no estrangeiro.

Mas João Lourenço garantiu que “o cerco está a ser apertado” para descobrir ” os esconderijos do dinheiro de Angola”. Para o efeito serão feitos “acordos judiciários com outros Estados, como o que se fez com Portugal”, anunciou.

João Lourenço revelou que está já em curso um trabalho “com as polícias, serviços secretos, as unidades de informação financeira e os bancos estrangeiros” para chegar às fortunas escondidas.

A Assembleia Nacional aprovou no dia 13 do corrente mês uma lei para repatriamento coercivo de capitais no âmbito do combate à corrupção, que é a bandeira de João Lourenço.

A caça às fortunas prende-se com o facto de muito desse dinheiro ter sido desviado dos cofres do Estado ou não ter sido declarado em Angola segundo a legislação vigente.

Fonte: CM

1 comments

O homem vai ter de trabalhar muito para que isso se torne realidade uma vez que de forma voluntaria os mesmos tiveram coragem de ficar calados e nada dizer.

Deixe o seu comentário