João Lourenço garante que situação da segurança pública em Luanda “está normalizada”

O Presidente da República assegurou que a segurança pública em Luanda, na sequência de crimes violentos registados há duas semanas na via pública, “está normalizada”, condenando a associação dos crimes à “deterioração da condição de vida dos angolanos”.

Segundo João Lourenço, a onda de crimes violentos que culminaram “lamentavelmente com perda de vidas humanas” e que mereceu uma “vigorosa condenação e repulsa” da sociedade “está felizmente ultrapassada, fruto do empenho das autoridades”.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“Esta situação está felizmente ultrapassada, porque as autoridades competentes tudo têm feito e continuarão a fazer no sentido de garantir a paz e a segurança dos cidadãos na sua vida quotidiana”, afirmou hoje na abertura da segunda reunião ordinária do comité central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

João Lourenço manifestou-se preocupado com a “forma simplista” com que “algumas vozes” na sociedade angolana ligam a onda de crimes “à deterioração das condições sociais e ao desemprego”.

“Com esta forma simplista de abordagem estaremos a justificar, senão mesmo a legitimar, o recurso à violência de quem atravessa por vezes, temporariamente, momentos difíceis na vida, o que acontece em todas as sociedades”, notou.

Para o Presidente da República, “é injusto e discriminatório pensar-se que, por se ser pobre ou desempregado se é à partida um potencial criminoso ou potencial assassino”.

A coragem de todos os “grandes homens de Angola”, como Agostinho Neto, primeiro Presidente angolano, que nascerem e cresceram pobres, “mas lutaram e venceram contra as adversidades sem recurso ao crime”, foi o argumento de João Lourenço para reforçar a sua afirmação.

De acordo ainda com o Presidente da República, a recém-eleita direção da JMPLA, braço juvenil do partido, tem pela frente uma “enorme responsabilidade” de trabalhar com a juventude angolana na educação patriótica e dos valores que regem a conduta social.

“Num momento em que assistimos ao elevado consumo de bebidas alcoólicas e de drogas, o mau uso das redes sociais e de outras práticas que em nada dignificam a nossa juventude”, realçou.

A reunião, que decorre no Centro de Conferências de Belas, em Luanda, avalia o Projeto do Plano Anual de Atividades e de Plano de Eventos do Partido e o Projeto de Orçamento Anual do MPLA para o ano de 2020, o Projeto de Relatório de Balanço da Comissão Nacional Preparatória do 8.º Congresso Extraordinário do partido e matérias relacionados à Comissão de Disciplina e Auditoria do Comité Central.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário