João Lourenço promete fortalecer as relações de Angola com Cuba “por gratidão”

O presidente eleito, João Lourenço, referiu numa entrevista à Efe (agência espanhola), que, durante sua administração, fortalecerá, as relações com Cuba “por gratidão”.

“As nossas relações com Cuba seguem a um nível muito alto e vamos continuar a trabalhar para fortalece-las. O que nos une ao povo cubano é um sentimento de gratidão, deram-nos aos mãos num momento crítico, os cubanos derramaram o seu sangue no nosso território e isso não tem preço”.

Os angolanos não são um povo ingrato, vamos continuar com as nossas relações com Cuba, vamos continuar a considerá-los um país amigo, abertamente e de coração, não vamos fazê-lo em segredo, nem tão pouco.” afirmou.

João Lourenço explicou recentemente, numa visita aos Estados Unidos, como Ministro da Defesa de Angola, onde se encontrou com o seu homólogo, James Mattis. “…de onde viajei de seguida para Cuba, e me encontrei com o presidente Raúl Castro”, acrescentou.

“Talvez no futuro, que não será num futuro imediato, haverá um governo que possa ser ingrato, mas não, neste momento”, concluiu na sua referência a Cuba durante a entrevista.

Cuba enviou soldados para lutar ao lado do Movimento pela Libertação de Angola (MPLA) pela independência do país africano, manteve esse apoio durante a guerra civil, e contribuiu juntamente com os angolanos para o fim do “apartheid” em África.

Durante os 38 anos de governo do presidente José Eduardo Dos Santos, Angola e Cuba mantiveram relações diplomáticas ao mais alto nível.

Questionado sobre a Venezuela, um país tal como Angola, são produtores de petróleo, João Lourenço respondeu: “os problemas que atravessam não são apenas económicos”.

“Existem muitos produtores de petróleo no mundo e nem todos estão na mesma situação, apesar da queda nos preços do petróleo. Somos todos afectados, mas nem todos estão na mesma situação” afirmou, recusando-se a comentar a situação política e social que atravessa a nação sul-americana.

O mais recente acordo com a Venezuela foi assinado no passado mês de Julho entre a empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama) e o Banco Central da Venezuela.

O acordo, assinado na presença do presidente Nicolás Maduro, tem por objectivo criar uma empresa mista para a exploração de diamantes, ouro e coltan.

 

Deixe o seu comentário