João Lourenço realiza visita de Estado à China em Outubro

A viagem do chefe de Estado angolano foi anunciada na passada sexta-feira, 28, pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Lu Kang.

Segundo o responsável, citado pela agência de notícias estatal chinesa Xinhua, a visita de João Lourenço a Pequim vai acontecer de 8 a 10 de Outubro.

Recorde-se que o Presidente da República esteve em Pequim no início de Setembro, para participar no III Fórum de Cooperação China-África (FOFAC), tendo-se reunido com o seu homólogo chinês, Xi Jinping, à margem do evento.

No encontro, o líder chinês prometeu apoio total à mudança de políticas em curso em Angola e à expansão do universo dos investimentos no país sem imposição de “condições políticas”.

Como a agência oficial chinesa, Xinhua, escreveu a propósito do encontro entre Xi Jinping e João Lourenço, o Presidente chinês prometeu ao chefe de Estado reforçar a parceria estratégica existente, assinada há oito anos, aproveitando a comemoração dos 35 anos desde que Luanda e Pequim estabeleceram relações diplomáticas.

“Apoiar as mudanças em execução pelo partido no poder (em Angola) e a experiência de governação, partilhando o aprofundamento da cooperação em todas as áreas e a consolidação do diálogo para formar posições sobre os assuntos internacionais de maior interesse”, garantiu Xi Jinping.

Uma das promessas de Xi Jinping é incluir Angola na nova Rota da Seda, o mais gigantesco dos projectos ambiciosos lançados pela China em muitos anos. O projecto lançado em 2013 cujo objectivo é abrir acessos entre a Ásia, Europa e África, o que poderá, quando estiver concluída, “lubrificar” o comércio global favorecendo os países incluídos neste novo mapa mundi dos transportes, que contém também uma versão ferroviária e marítima.

Por seu lado, o Presidente angolano João Lourenço, ainda de acordo com a Xinhua, sublinhou a solidez das relações entre os dois países, tendo agradecido o empenho chinês no processo de reconstrução nacional e o seu desenvolvimento económico e social, deixando claro o apoio de Luanda à política de uma só China, referindo-se à disputa pela ilha Formosa (Taiwan).

“A China sempre deu o seu precioso apoio a África quando o continente enfrentava dificuldades e desempenhou sempre um papel para o desenvolvimento e a paz em África”, destacou João Lourenço.

Fonte: Novo Jornal

Deixe o seu comentário