João Melo critica comunicação social portuguesa

kalola Store

No que diz respeito a Angola, os órgãos de comunicação social “não têm feito jornalismo, mas sim campanha”.

A crítica à imprensa portuguesa surgiu esta tarde pela voz de João Melo, ministro angolano da comunicação social.

“O que, salvo excepções pontuais, os principais meios de comunicação portugueses têm feito em relação a Angola não é jornalismo, mas campanha. Comprovam-no quer os critérios limitados e parciais da escolha dos factos a noticiar ou comentar, quer o carácter selectivo das fontes a que os referidos meios recorrem para justificar ou enquadrar as notícias seleccionadas”.

As críticas não ficaram por aqui. João Melo falou no excesso de uniformização entre os meios de comunicação social. E deu exemplos:

“A televisão portuguesa parece conhecer apenas três especialistas em Angola, para abordar acontecimentos angolanos”.

Nos últimos tempos, o tema forte em relação a Angola foi o processo que seguiu para Luanda referente ao ex-vice-presidente Manuel Vicente. Na conferência dos 130 anos do Jornal de Notícias, João Melo não se referiu directamente ao tema, mas sublinhou a necessidade de cumprir os acordos assinados.

“Para nos entendermos, em português ou em qualquer outra língua, temos de fazê-lo com base em algumas démarches: melhor conhecimento mútuo, fim dos complexos de superioridade e inferioridade, abandono da visão baseada em dois pesos e duas medidas, respeito pela soberania de cada um, cumprimento dos acordos livremente assinados”, frisou.

Ficou o recado, na ressaca de uma polémica que fez correr muita tinta e depois de Portugal ter dito que acabou “o irritante” nas relações com Angola.

Fonte: TSF

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.