José Pedro Katchiungo diz que é hora da “juventude se erguer” na UNITA

Após a entrega da candidatura à comissão de mandatos do XIII Congresso Ordinário da UNITA, de onde sairá o sucessor do actual presidente, Isaías Samakuva, Katchiungo mostrou-se “orgulhoso” por pertencer a um projecto fundado por Jonas Savimbi e liderado por “Samakuva num tempo conturbado”.

Para o candidato, o partido “tem de fazer face aos novos desafios do país”.

publicidade

O objectivo da candidatura passa por respeitando “a cultura da UNITA”, injectar no partido e no país “uma visão jovem”, de uma “ juventude lúcida e determinada, para, juntos e coesos” fazer do país o sonho de Agostinho Neto, Jonas Savimbi, Holden Roberto e de “todos os patriotas que sentem que o rumo que Angola está a seguir não é o rumo que ANGOLA deve seguir”, proclamou o dirigente do “Galo Negro”.

O também primeiro vice-presidente do grupo parlamentar da UNITA diz que “juventude é chamada a aplicar a sua inteligência” com humildade e determinação e afirmou que sente “orgulho” por ver a UNITA “colher os frutos da sua própria escola”.

Recordou ainda a sua derrota contra Samakuva, nas anteriores eleições de 2011, evocando uma nota que lhe foi endereçada por Jonas Savimbi em 1989 e considerando essa “lição” como uma antecipação do que viria a seguir.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“Em 2011, a minha candidatura não era para ganhar o congresso, eu nem estava contra a forma como o Dr. Samakuva estava a dirigir o partido. Eu dei um passo em frente para apoiá-lo, para me afirmar no partido e para me antecipar aos acontecimentos porque eu sabia que havia de chegar a hora da juventude se erguer”, sublinhou.

O candidato acrescentou que Samakuva trabalhou no sentido de dar “visibilidade“ à juventude e que a “transição geracional é obra dele”, pelo que “a juventude tem dar um passo em frente”.

Katchiungo destacou que quer defender a UNITA num patamar diferente, já não partidário, mas nacional e “fazer com as ideias vinguem”.

“Estamos aqui para unir para a acção e, com q acção, termos a vitória. Mas não vai ser a vitória da UNITA, vai ser a vitória dos angolanos”, realçou o candidato à liderança da UNITA .

Fonte : Lusa.

Deixe o seu comentário