Londres: Isabel dos Santos compra mansão avaliada em 15 milhões de dólares

O jornal britânico The Times revela na sua edição desta terça-feira, 13 de Agosto, que Isabel dos Santos adquiriu uma mansão avaliada em 15 milhões de dólares (13 milhões de libras), em Kensington, uma das zonas mais luxuosas de Londres, situação que terá causado a ira e indignação dos vizinhos.

A filha do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, já recebeu permissão da prefeitura de Londres para demolir a propriedade e construir uma mansão de quatro andares em seu lugar, com um complexo de piscinas subterrâneas.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

A empresária angolana, de 46 anos, também pretende instalar uma banheira de hidromassagem, uma adega, uma sala de massagem e um cofre forte na mansão de Kensington, na zona oeste de Londres. Tais planos estão a provocar a ira e indignação dos vizinhos desta zona nobre da cidade. Um morador afirmou que a proposta aprovada pela prefeitura de Londres está “criar ressentimento e divisão no seio da comunidade”.

“Isabel dos Santos é filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, e tem enfrentado acusações de ter beneficiado da ajuda do pai para fazer fortuna num país rico em petróleo e diamantes”, diz o tabloide britânico, que avança ainda que Isabel dos Santos é “dona de uma fortuna avaliada em quase 2 mil milhões de libras”, acumulada durante o período em que José Eduardo dos Santos governou Angola (38 anos).

A Finance Uncovered revela que a mansão foi paga em “cash” através de uma sociedade anónima sediada na ilha de Man, um paraíso fiscal. A revelação de que Isabel dos Santos é a proprietária de uma mansão de luxo em Londres, começa a levantar preocupações generalizadas sobre a origem da sua riqueza.

A empresária angolana estava “refugiada” em Londres depois de ter sido notificada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a 17 de Julho de 2018, no âmbito de um inquérito sobre a sua gestão na Sonangol.

A PGR tinha notificado Isabel dos Santos para prestar esclarecimentos sobre a sua gestão enquanto presidente do conselho de administração da petrolífera estatal angolana Sonangol.

O antigo presidente do conselho de administração da Sonangol, Carlos Saturnino, acusou Isabel dos Santos de ter gasto de forma não transparente 135 milhões de dólares em consultorias, bem como de ter autorizado uma transferência de 38 milhões de dólares para a empresa Matter Business Solutions DMC com sede no Dubai, um dia depois da sua exoneração.

Fonte: The Times

Deixe o seu comentário