Maior banco angolano prevê retomar concessão de crédito até março

kalola Store

O presidente do conselho de administração do Banco de Poupança e Crédito (BPC) disse hoje, em Luanda, que prevê retomar a concessão de crédito até março, no âmbito do programa de revitalização daquela instituição bancária.

Alcides Safeca, anterior secretário de Estado do Orçamento e empossado no cargo na sexta-feira, falava hoje à imprensa no fim da posse de Fernando Heitor como administrador executivo do BPC.

O presidente do conselho de administração do maior banco angolano referiu que estão igualmente a ser aplicadas medidas que visam aumentar a capacidade operacional do BPC.

Relativamente ao saneamento da carteira de crédito, Alcides Safeca explicou que estão a decorrer neste momento negociações com os credores para a sua recuperação, sublinhando que este processo “está a decorrer bem”.

Contudo, anunciou que o banco deverá retomar a concessão de crédito aos clientes no primeiro trimestre de 2018.

O ministro das Finanças angolano exortou na sexta-feira o novo presidente do conselho de administração do BPC a acelerar o saneamento da instituição, desinvestindo em áreas fora da banca.

A posição foi assumida por Archer Mangueira durante a cerimónia de posse de Alcides Safeca como novo líder do BPC, o quarto presidente do conselho de administração que o banco – detido pelo Estado e em processo de reestruturação devido aos mais de 2.000 milhões de euros de crédito malparado -, conhece desde outubro de 2016.

“O BPC deve dar continuidade ao seu processo de reestruturação e saneamento. Enquanto banco público nacional, deve ser o principal agente do Estado em matéria financeira. Deve estar dotado de ferramentas e capacidades adequadas, ao nível da governação, da organização e da conformidade”, apontou Archer Mangueira.

Defendeu que o novo conselho de administração – após a saída de Ricardo Viegas d’Abreu, anterior presidente do banco, para o cargo de secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República de Angola – “deve dar celeridade às medidas de saneamento” do BPC, destacando “a revisão da estrutura de despesa”.

“Procedendo à reversão nas despesas com contratos, à redução das despesas fixas e ao desinvestimento em áreas ‘não core’. Todas as situações negativas devem ser saneadas”, disse Archer Mangueira.

Daquele banco, o maior em Angola, o ministro das Finanças disse esperar que seja “um parceiro principal em programas específicos do Estado”, mas também “na angariação de financiamentos para o investimento em infraestruturas, na potenciação do tecido empresarial privado nacional e na massificação do acesso à banca”.

A 19 de outubro, ainda antes de cessar funções como presidente do conselho de administração, Ricardo Viegas D’Abreu garantiu que o BPC vai entrar em 2018 já com o processo de saneamento da carteira de crédito malparado, superior a 2.500 milhões de euros, concluído.

O então presidente do conselho de administração assumiu que com o processo de saneamento da carteira de crédito malparado do BPC, através da venda de uma parte desse total a outra sociedade estatal, a Recredit, ainda este ano será possível “relançar a atividade do ponto de vista creditício” daquele banco.

Fonte: Lusa

 

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.