“Maioria dos membros da Santa Sé é gay”, afirma autor francês

kalola Store

A esmagadora maioria dos sacerdotes do Vaticano são homossexuais não assumidos. Parte deles tem relações estáveis e outros recorrem a prostitutos .

A chocante revelação surge num livro de quase 600 páginas que será publicado na próxima semana, coincidindo com o início da cimeira papal sobre abusos sexuais na Igreja.

Com o título: “In the Closet of the Vatican” (algo como , ‘ No Armário do Vaticano’)”, o livro foi escrito por Frederic Martel.

Antigo conselheiro do Governo francês e gay assumido, Martel viveu mais de quatro anos no Vaticano para fazer a investigação.

As conclusões apontam que quatro em cinco padres são gay, ou seja, 80% dos sacerdotes do Vaticano. Mas nem todos têm vidas sexuais activas.

Frederic Martel fez 1500 entrevistas a 41 cardeais, 52 bispos e monsenhores, 45 núncios papais, 11 guardas suíços e mais de 200 padres e seminaristas.

Muitos entrevistados revelaram a existência de um código não escrito, de acordo com o qual quanto mais homofóbico um sacerdote se mostrar mais provável é que seja gay.

Um exemplo é o do falecido cardeal colombiano Alfonso López Trujillo: defendia com dureza os ensinamentos da Igreja contra a homossexualidade mas recorria a prostitutos .

Alguns críticos condenam Martel por não deixar claro o que resulta de provas de facto e relatos testemunhais e o que são meros rumores.

Fonte: CM.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.