Mais de seis mil corpos encontrados em seis valas comuns no Burundi

A Comissão da Verdade e Reconciliação do Burundi encontrou mais de seis mil corpos em seis valas comuns na província de Karusi. Esta é a maior descobertas desde que o Governo ordenou que fossem iniciadas escavações em todo o país, no início deste ano .

O presidente da comissão, Pierre Claver Ndayicariye, disse aos jornalistas nesta sexta-feira que os restos mortais de 6.032 vítimas, juntamente com milhares de balas, tinham sido recuperados. Roupas, óculos e terços foram usados para identificar algumas das vítimas.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

A pequena nação da África Oriental está a esforçar-se para “se conformar” com o seu passado violento, caracterizado pela ocupação colonial, guerra civil e décadas de massacres intermitentes.

Referindo-se a um massacre que se acredita ter tido como alvo pessoas da etnia hutu, Ndayicariye referiu que as famílias das vítimas foram capazes de “quebrar o silêncio” imposto há 48 anos. A população do Burundi é dividida entre os grupos étnicos Tutsi e Hutu. A guerra civil, que matou 300 mil pessoas antes de terminar em 2005, teve implicações étnicas.

A comissão governamental foi criada em 2014 para investigar atrocidades que tiveram lugar desde 1885, quando cidadãos estrangeiros chegaram ao Burundi, e até 2008, altura em que se chegou a um acordo para acabar com a guerra civil.

Até agora, a comissão já mapeou mais de quatro mil valas comuns em todo o país e identificou mais de 142 mil vítimas. A Comissão de Inquérito da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou o mundo, em 2017, para os crimes cometidos contra a humanidade que estão a ser cometidos no Burundi. A violência estalou há dois anos, depois de o Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, se ter recandidatado à presidência para um terceiro mandato. Desde então, milhares de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas.

Fonte: PÚBLICO.

Deixe o seu comentário