Malária mata 3.364 pessoas em Angola este ano em quase 2,5 milhões de casos

kalola Store

Angola registou este ano quase 2,5 milhões de casos de malária, que vitimaram 3.364 pessoas, continuando a doença a constituir a primeira causa de morte no país, indica esta quinta-feira um relatório do Ministério da Saúde.

No documento divulgado pela Comissão Interministerial de Combate à Malária e à Cólera do Ministério da Saúde, as autoridades sanitárias registaram , entre 01 de Janeiro e 28 de Setembro último, 2.472.033 casos .

Só nas últimas 24 horas, a província de Luanda, segundo o relatório, é a que maior número de casos registou, com 1.582 do total de 5.041 notificações de todas as 18 províncias, seguida da de Benguela (573 casos).

Entretanto, o Boletim Epidemiológico de 2017 dá conta que a malária provocou, no ano passado, 13.979 óbitos, de um total de 4.515.531 casos.

Tendo os dados em conta, os números de 2017 registaram uma diminuição em mortes comparativamente a 2016, ano em que foram registadas 18.082 mortes, de um total de 4.438.837 casos. De acordo com os dados, os menores de 5 anos foram os mais afectados, com 1.599.826 casos, que resultaram em 6.849 mortes, seguindo-se as crianças entre os 5 e 14 anos, com 4.045 óbitos em 1.386.987 casos, enquanto nos maiores de 14 anos houve 1.528.718 casos e 3.085 mortes.

“Verifica-se que o risco de adoecer e morrer diminui com o aumento da idade. A taxa de incidência em menores de cinco anos e as taxas de mortalidade em crianças dos cinco aos 14 anos e em maiores de 14 anos acabaram por aumentar com relação ao ano de 2016”, sublinha-se no documento.

A província de Luanda liderou a lista de casos, com 1.036.013, e de óbitos, com 2.334, seguindo-se Benguela (375.825 casos e 1.413 mortes). As províncias da Huíla, Namibe e Zaire foram as que não registaram durante o ano surtos da doença, segundo indica o relatório.

Numa análise à sazonalidade dos casos de malária em 2017, verifica-se a existência do surto epidémico durante quase todo o ano, à excepção dos meses de Março e Agosto.

“O aumento dos casos de síndromes febris suspeitos de malária registados nos meses de Abril, Maio e Junho, típico do padrão sazonal, foi atribuído pelas cargas pluviométricas que favorecem a proliferação do vector neste período, junto com outros determinantes”, salienta-se no boletim.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.