Morreu o nacionalista angolano Jaime de Sousa Araújo

A informação foi revelada por João Ricardo Rodrigues da editora Perfil Criativo, responsável pelas últimas publicações do nacionalista e autor angolano.

Jaime de Sousa Araújo faleceu em Lisboa, na tarde deste domingo, 08 de Dezembro, vítima de doença. Tinha 99 anos de idade e era o mais velho escritor angolano em actividade. Em Outubro de 2017, em véspera de comemorar 97 anos, o nacionalista, apresentou na Casa de Angola em Lisboa, o livro “Caminho Longo -Desenvolvimento Integrado”, com a chancela da editora Perfil Criativo.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Jaime de Sousa Araújo nasceu a 14 de Outubro de 1920 em Angola. Frequentou o liceu Salvador Correia e diplomou-se em enfermagem no Hospital Dona Maria Pia, em Luanda. Licenciou-se em Jornalismo pelo Instituto de Angola e frequentou a Universidade Clássica de Lisboa e a Universidade de Coimbra.

Funcionário público e empresário, participou em inúmeras intervenções públicas nacionais e internacionais. Assim, foi membro da Comissão para a Transladação dos restos mortais do Monsenhor Manuel Joaquim Mendes das Neves “Cónego Manuel das Neves” de Braga para o cemitério do Alto das Cruzes, em Luanda. Esteve também presente, sob a égide do Presidente Jomo Kenyata, nas conferências políticas da FNLA, MPLA e UNITA decorridas na República do Quénia.

Jaime de Sousa Araújo era considerado uma biblioteca viva e um dos pilares do nacionalismo angolano cultivado pela Liga Nacional Africana (LNA), da qual foi membro- fundador e primeiro sócio.

Deixe o seu comentário