Morreu Quinzinho, antigo futebolista do ASA e do FCP

Joaquim Alberto da Silva “Quinzinho”, antigo jogador do ASA e do Futebol Clube do Porto, faleceu na manhã desta segunda-feira, 15 de Abril, em Alverca (Portugal), soube a Vivências Press News de fontes familiares.

O antigo internacional angolano ainda recebeu assistência médica no local por parte dos bombeiros, mas não terá resistido, acabando por falecer vítima de uma paragem cardíaca.

“Ele fazia sempre o seu treino diário todas as manhãs na zona de Alverca. Hoje de manhã enquanto fazia a sua corrida começou a sentir-se mal e teve uma paragem cardiorrespiratória. O nosso Quinzinho morreu”, confirmou um familiar.

Joaquim Alberto da Silva “Quinzinho” nasceu em Luanda, a 4 de Março de 1974 e tinha 45 anos de idade. Começou a carreira futebolística no ASA, tendo representado o Futebol Clube do Porto, União de Leiria, Rio Ave, Desportivo de Aves, Farense, Alverca e Estoril.

Esteve também no Rayo Vallecano em Espanha. Teve também uma passagem pelo futebol chinês onde representou o Hangzhou Greentown e o Xiamen Lanshi. Terminou a carreira ao serviço do Recreativo da Caála.

O avançado angolano trabalhou com treinadores como Bobby Robson, António Oliveira e Fernando Santos (actual seleccionador nacional de Portugal). Quinzinho competiu com nomes como Domingos Paciência e Mário Jardel.

Quinzinho chegou ao Futebol Clube do Porto em 1995, oriundo do ASA. No ano seguinte, marcou o primeiro golo na história da selecção de Angola, numa fase final do CAN.

“Foram dos melhores anos da minha vida, venci dois campeonatos e duas taças de Portugal, mas havia Mário Jardel. Era um fenómeno. Mas sinceramente, esperava mais dessa passagem pelo FC Porto. Quando tive oportunidades, fiz golos”, lembrou Quinzinho numa das entrevistas concedidas aos jornalistas portugueses.

Os adeptos do FCP não mais se esqueceram de Quinzinho.

“Fui muito acarinhado no Porto. Ainda agora, sempre que lá vou , os adeptos ainda me chamam na rua: ‘Quinzinho, Quinzinho, eras o maior'”, reafirmava na entrevista.

Deixe o seu comentário