MPLA acusa TV Zimbo de instigar a desobediência

Uma reacção sem meias-medidas contra um programa televisivo que, em tão pouco tempo, ocupou um lugar de destaque nas audiências. O MPLA considera o “Fala Angola”, uma nova aposta da TV Zimbo voltada para o retrato dos problemas sociais do país, como um programa de “instigação à desobediência”.

Em nota publicada nesta quinta-feira, 14 no seu site, o partido no poder não poupa nas críticas dirigidas ao apresentador do programa, Salu Gonçalves, a quem apelida de “excêntrico e polémico” na condução de um programa que “era suposto” dar voz aos angolanos.

Referindo-se ainda ao apresentador que trocou a Rádio Luanda pelo Grupo Medianova, o MPLA sublinha que este está a assumir um papel como se de um “órgão de soberania se tratasse”, fugindo aos pressupostos que “regem a profissão, nomeadamente: informar, formar e entreter”.

“O Fala Angola” está a ser subtilmente transformado num tribunal à hasta pública, palco de exposição gratuita da vida privada de outrem”, atira a nota do partido no poder.

Referindo-se aos casos de crimes relacionados no programa, o MPLA realça que, “em momento nenhum, é passível a intromissão em assuntos de foro jurídico que ainda estejam sob segredo de justiça”, instando os responsáveis do programa a pautarem-se por uma conduta que preserve a “presunção”.

Entretanto, uma fonte influente ligada à estação mostrou-se perplexa quanto à “falta de idoneidade” no comunicado publicado na página do partido que suporta o governo.

“Nem parece um comunicado feito com a profundidade que se exige a um partido que governa o nosso país. Contudo, é bom saber que as pessoas estão atentas ao programa. Estamos a identificar problemas que são públicos e notórios. As reclamações talvez se devam ao perfil do apresentador, mas não difere daquilo que faz o Ecos e Factos da TPA, que me parece mais agressivo. O programa surgiu em resposta ao pedido de uma Terceira República, na que se quer mais transparência”, disse ao Novo Jornal, uma fonte que pediu anonimato.

MPLA não tem competência para regular a programação da TV Zimbo”

“Não compreendo a atitude e postura do MPLA. Uma vez que até já existe a ERCA, que é o órgão regulador da comunicação social para tratar destes assuntos, qual a necessidade de o MPLA estar a fazer um comunicado do género? Será que agora é papel, função e missão do MPLA controlar e regular a comunicação social?O partido no poder parece lidar mal com a liberdade de expressão e de opinião. O MPLA não tem competências para querer regular a programação da TV Zimbo ou de outra televisão. O ataque ao jornalista Salu Gonçalves era perfeitamente desnecessário, estando hoje a adjectivar alguém que no passado já prestou relevantes serviços em termos de comunicação e imagem ao próprio MPLA”, disse a Vpnews,um jornalista e docente universitário que pediu anonimato.

Fontes: MPLA, Novo Jornal

1 comments

Esta bem claro que o inimigo do povo Angolano é o mpla, que deve saber que os tempos são outros a consciência do povo já ñ é a mesma dos anos 90, devem seguir a dinâmica é a realidade do país, senão vam correr do puder com catanas assim como os nossos pais coreram com os colonos.

Deixe o seu comentário