Victória de Barros Neto alvo de mandado de captura emitido pela Namíbia

kalola Store

Classificados como “sensíveis”, os rastos de um esquema de suborno em que Victória de Barros Neto, ex-ministra das Pescas se vê envolvida estão a ser seguidos, secretamente, pela Direção de Combate à Corrupção da PGR.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um inquérito para apurar o envolvimento de Victória de Barros Neto, ex-ministra das Pescas do Governo de João Lourenço, depois de um juiz de um tribunal de Windhoek, capital da Namíbia, ter emitido um mandado de detenção contra a ex-governante, exonerada em Janeiro de 2019.

Atualmente deputada pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), o partido no poder, Victória de Barros Neto está indiciada num esquema de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais em que estão igualmente implicados dois ex-ministros namibianos, já a contas com a justiça naquele país.

Álvaro da Silva João, subprocurador e porta-voz da PGR angolana, confirmou estar em curso uma diligência entre as autoridades judiciais dos dois países, mas lembra que, à luz da Constituição, Angola não pode extraditar os seus concidadãos.

“O que fizemos, desde que tomámos conhecimento deste assunto, através do gabinete de Intercâmbio e Cooperação Internacional, foi contactar a nossa congénere”, disse o subprocurador, acrescentando que, “havendo matérias que indiciem actos criminais, em momento oportuno iremos prestar informações sobre o andamento do processo”.

O ESQUEMA QUE DEU LUVAS DE 30 MILHÕES

Pouco mais de 30 milhões de dólares norte-americanos [27,1 milhões de euros] foi o valor gerado pelo esquema detectado por um consórcio de jornalistas de investigação, do diário namibiano The Namibian, da WikiLeaks, da televisão pública da Islândia (RUV), do diário islandês Stundian, e da Al Jazeera. O enredo tem origem num acordo assinado entre os governos da Namíbia e de Angola, que se consubstanciava no estabelecimento de quotas de pescas envolvendo duas empresas namibianas: a Namgomar Namibian, SA e a estatal nambiana National Fishcor Corporation of Namibian (Fishcor), e uma outra angolana Nandomar Pescas Angola.

Segundo os investigadores da Comissão Anticorrupção da Namíbia, as quotas doadas por este país, supostamente, eram depois vendidas ao gigante alimentar islandês Samherji HF, e os lucros das vendas transferidos para empresas offshore no Dubai e nas Ilhas Maurícias. Mais tarde, os offshore enviavam o dinheiro para Angola e para a Namíbia, ou seja, para as empresas detidas por familiares de ministros e empresários testas-de-ferro.

Entre vários beneficiários das comissões ilegais está um dos quatro filhos da ex-ministra angolana das Pescas, João de Barros, que a terá persuadido a tirar proveito dos acordos entre os dois países. Durante dois dias o Expresso procurou, sem sucesso, ouvir a versão da deputada do MPLA.

Américo Cuononoca, líder da bancada parlamentar daquele partido, garante que desconhece completamente o processo.

Este caso é surpresa para mim, não li nada, nada chegou à minha mesa, nem domino a informação de que dois ex-ministros namibianos estão detidos no seu país por conta de um negócio envolvendo a camarada Victória de Barros Neto.

O deputado e chefe do governo-sombra da UNITA, o maior partido na oposição, Raul Danda, afirmou que, estando o nome de Angola envolvido, por conta de uma entidade que exerceu e terá praticado eventuais delitos criminais em funções governativas, o Governo deve pronunciar-se urgentemente. “A UNITA vai exigir explicações porque este assunto envolve o nome de Angola”, concluiu Danda.

Fonte: Expresso

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.