Omatapalo nega acusações de ser empresa do Estado

kalola Store

O presidente do conselho de administração da empresa de construção Omatapalo negou este domingo à comunicação social ser uma “empresa do Estado” e beneficiar de adjudicações directas, como é acusada, mas antes uma “sua parceira”.

“Não somos beneficiados em nada, somos sim um parceiro do Estado, como sempre fomos e seremos, e onde estamos assim o fazemos, não só em Angola, como noutros países. Sempre que é necessário responder a qualquer desafio, nós fazemo-lo”, disse Carlos Alves.

O responsável salientou que a empresa trabalha com quem quer os seus serviços e, tal como outras empresas nacionais e internacionais que têm capacidades, está sempre disponível e sujeita a ter contratações simplificadas.

“Mas, o processo de contratação simplificada não significa que seja adjudicação directa porque são feitas consultas e concursos”, explicou.

Além disso, Carlos Alves ressalvou que a Omatapalo é uma empresa que “tem capacidade instalada, capacidade de mobilização muito grande, cumpre as normas e regras e tem todas as certificações necessárias”, o que faz com que, quando existam obras de emergência que o Estado precisa de fazer e que são investimentos de interesse, seja uma das empresas que possa ser consultada, tal como outras do mesmo sector.

A título de exemplo, o administrador recordou que a Omatapalo executou, por contratação simplificada, a Arena de Luanda para o Mundial de Hóquei, em 2013, construindo três infra-estruturas desportivas, uma delas o pavilhão multiusos de Luanda com 12 mil lugares em nove meses.

“Nenhum concorrente ou colega aceitou este desafio e nós aceitámos e fizemos com qualidade”, frisou.

Já sobre a ligação entre a actividade da construção civil e vários escândalos de corrupção em Angola que tem sido noticiada, o administrador rejeitou fazer comentários por “não ser conhecedor suficiente”, entendendo ser matéria da Procuradoria-Geral da República.

Sector mineiro na mira

Carlos Alves admite ainda a entrada da empresa no sector mineiro. “Há conversações, sim, há muitas minas em Angola e pode acontecer a qualquer momento, desde que seja uma mais-valia para nós, para o Estado e para os parceiros que possam integrar o projecto”, assumiu.

Dizendo que o interesse neste sector não é de hoje, mas de há “alguns anos”, o responsável referiu que a Omatapalo vai querer explorar esta área de negócio, devendo ser uma realidade “dentro de pouco tempo”, previsivelmente no início do próximo ano.

A empresa está a trabalhar e a analisar vários projectos, tendo tido reuniões sobre a possibilidade de integrar alguns, mas ainda não há nada concretizado, garantiu.

Carlos Alves disse estar a estudar os investimentos em que pode apostar capacidade, em que pode melhorar o desempenho e o que é mais interessante para o grupo.

“Estamos sempre disponíveis e analisamos todos os projectos que possam trazer mais-valias ao grupo e ao Estado”, ressalvou.

A área mineira tem um “potencial enorme”, daí o interesse da Omatapalo e de outras empresas, acrescentou.

Mas, além desta, a Omatapalo tem investido noutras áreas de negócio, apesar de o seu principal ramo de actividade ser a construção civil, nomeadamente no sector agropecuário, industrial, metalomecânica e ambiente.

“Estamos a investir fortemente na área das madeiras e carpintaria, área em que pensámos duplicar a capacidade instalada da empresa até ao fim do ano. Pensamos ter uma unidade completa em Luanda para produção de mobiliário de escritório e sofás, entre outros produtos, para isso, estamos a adquirir instalações que nos vão permitir ter essa capacidade”, adiantou.

Na metalomecânica, sector que já explora, a empresa está a construir uma nova unidade em Luanda, uma vez que a unidade principal estar instalada no Lubango, distante da capital.

Já na agropecuária, a Omatapalo está a “intensificar” o investimento na Fazenda Mumba, dedicada à produção de carne de corte, para a ter em pleno funcionamento em 2030, disse o empresário. Em processo negocial está ainda a integração da empresa num consórcio para a construção da refinaria de Cabinda.

Em Portugal, onde a empresa está em expansão e tem em carteira vários projectos imobiliários, Carlos Alves revelou estar a criar um centro de investigação e de start-ups.

Devendo ficar sediado em Matosinhos, no distrito do Porto, Portugal, este centro, ainda em projecto, terá como foco a inovação, ambiente e tecnologia, referiu.

Apesar de um “assinalável crescimento” em Portugal, o administrador é repertório em dizer que o país onde a empresa mais factura “é obviamente” Angola.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.