ONU diz que alterações climáticas matam diariamente em Angola

“De acordo com a última avaliação feita pelo Ministério da Agricultura, temos as comunidades avaliadas nas três províncias do Cunene, Huíla e Namibe em fase 3 ou 4 do IPCC (Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas), que quer dizer que morrem 0,5 por 10.000 pessoas por dia devido à mudança climática no país”, afirmou nesta sexta-feira Paolo Baladelli, coordenador residente das Nações Unidas em Angola.

Segundo o responsável, que falava, em Luanda, na abertura do primeiro Diálogo Nacional sobre o Fundo Verde para o Clima (GCF, na sigla inglesa), a situação deve constituir preocupação das autoridades para “mobilização acelerada de recursos”.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

“Esta é uma das tantas razões imperativas para mobilizar de uma forma acelerada os nossos recursos para focar de uma forma muito atenta sobre a mitigação e adaptação da mudança climática”, alertou.

A zona sul de Angola, nomeadamente as províncias do Cunene, Cuando-Cubango, Huíla e Namibe estão afectadas desde finais de 2018 por uma seca severa, situação que levou o Presidente da República, João Lourenço, a deslocar-se àquela região, em Maios passado.

O ambiente é fundamental para a sobrevivência do ser humano e tem ligações com todas as metas de desenvolvimento sustentável para a Agenda 2030, definida pelas Nações Unidas , porque, realçou, o ambiente pode ter um impacto muito grande na erradicação da pobreza, na eliminação da fome, saúde, educação, entre outras.

“Não há espaço para ineficiência e realmente a população angolana é um foco, então este vai ser um terreno bom, ou seja, temos o contexto facilitador para poder realmente mudar as coisas”, sublinhou.

O primeiro Diálogo Nacional sobre o Fundo Verde para o Clima é promovido pelo Ministério do Ambiente e seus parceiros nacionais e estrangeiros e decorre sob o lema ” Juntos para Resiliência Nacional”.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário