PER reclama o reforço do papel do jornalista

Os membros e participantes do VIII encontro da Plataforma das Entidades Reguladoras da Comunicação Social dos Países e Territórios de Língua Portuguesa (PER), entre os quais Angola, reconheceram, no sábado 23 de Novembro, em Lisboa, a necessidade de reforçar o papel dos jornalistas e da sua mediação crítica.

Para o PER, estes aspectos estão a ser desvalorizados pela massificação no acesso às plataformas de intervenientes que não se obrigam ao respeito pelos princípios conducentes ao rigor na informação.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

O facto vem expresso na “Declaração de Lisboa” saída no final do encontro que decorreu durante quatro dias naquela cidade lusa, em que o angolano Adelino de Almeida passou a presidência da PER para Francisco Azevedo e Silva, vogal da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Portuguesa, que a exercerá até finais de 2020.

Os participantes reconheceram ainda a necessidade de trabalhar junto das plataformas de partilha de vídeos e das redes sociais, para promover a transparência quanto ao funcionamento dos algoritmos e sistemas de hierarquização da informação na pesquisa de notícias, no sentido de dar respostas conjuntas que credibilizem os próprios operadores privados e que simultaneamente garantam ao público o direito à informação.

Ainda na Declaração de Lisboa, os reguladores  reafirmam a  importância de  garantir a independência financeira dos media, além de defenderem  a formação  dos jornalistas, para que continuem a primar pelo rigor, a isenção e a imparcialidade.

Os signatários do referido documento, incluindo Angola, reiteram  o compromisso de cooperação entre  os membros da PER, com vista a concretizar  iniciativas  de auto e co-regulação, com a elaboração de  códigos de conduta ou guias de boas práticas, em conformidade com  os princípios e as regras deontológicas.

Durante o evento,  foram  abordados temas realcionados com a importância  do reforço  das relações multilaterais entre os organismos-membros,  para optimizar as respostas conjuntas identificadas  na  declaração.

O novo presidente da PER, Francisco Azevedo e Silva, comprometeu-se a dar continuidade aos objectivos estabelecidos durante o evento, nomeadamente a realização de um inquérito de diagnóstico sobre o pluralismo nos  media e a igualdade de género.

Na opinião de Adelino de Almeida, o presidente cessante da Plataforma das Entidades Reguladoras da Comunicação Social dos Países  e Territórios de Língua Portuguesa (PER), o evento reforça a cooperação entre os países na efectivação dos conceitos de liberdade de expressão e de imprensa.

O próximo evento vai decorrer de 18 a 21 de Novembro de 2020, em São Tomé e Príncipe  sob o lema “ Literacia Mediática e o Papel do Regulador”.

Fonte: Angop

Deixe o seu comentário