Petróleo, gás e agricultura: Angola e Emirados Árabes Unidos definem áreas de cooperação

Cooperação entre as companhias petrolíferas dos dois países pode ainda ser explorada em áreas como a energia, mineração de fosfatos, petroquímica, ‘shipping’, transporte por ‘pipelines’, entre outras.

Angola e os Emirados Árabes Unidos podem desenvolver parcerias nos domínios dos petróleos, gás e agricultura angolano, anunciou Luanda, após uma visita do ministro angolano àquele país, que pretendeu “abrir a porta” à petrolífera nacional, Sonangol.

A informação consta de um comunicado do Ministério dos Petróleos e Recursos Naturais de Angola, a que agência Lusa teve hoje acesso, sobre os três dias de visita que o titular da pasta ministerial, Diamantino de Azevedo, realizou aos Emirados Árabes Unidos.

Diamantino Azevedo disse no encontro que manteve com o ministro do Desenvolvimento dos Emirados Árabes Unidos, Sultan Hamed Al Jaber, e com altos executivos das companhias Abu Dabi National Oil (ADNOC) e Mubadala, que a visita teve como objetivo “abrir a porta” à petrolífera angolana, Sonangol, para se tornar mais competitiva, robusta e lucrativa, no âmbito do seu programa de regeneração à luz das reformas no subsetor dos petróleos em Angola.

O governante angolano realçou que os Emirados Árabes Unidos são “um país estratégico, que será brevemente visitado” pelo Presidente da República, João Lourenço.

Segundo o ministro, a Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) tem um papel importante a desempenhar na relação entre empresas.

A nota avança ainda que o presidente do conselho de administração da Sonangol, Carlos Saturnino, que integrou igualmente a delegação angolana, reuniu-se com os seus homólogos da ADNOC e Mubadala, aos quais explicou o programa de reestruturação em curso na companhia.

Carlos Saturnino informou que o programa prevê a cedência de algumas participações em certos blocos petrolíferos, que podem ser usadas para procurar “maior e melhor conhecimento externo e dinheiro necessário ao novo figurino que se avizinha”.

A cooperação entre as companhias petrolíferas dos dois países pode ainda ser explorada em áreas como a energia, mineração de fosfatos, petroquímica, ‘shipping’, transporte por ‘pipelines’, entre outras.

De acordo com o comunicado, a Sonangol já indicou os seus pontos focais e pretende já desencadear contactos mais intensos com as suas congéneres dos Emirados Árabes Unidos.

A delegação angolana integrou ainda o secretário para o setor produtivo, Isaac dos Anjos, além de administradores da Sonangol.

Angola pretende obter da ADNOC a sua experiência no transporte, refinação, petroquímica, distribuição e comercialização de derivados de petróleo, enquanto que procura na Mubadala – empresa de investimento global, com atuação em 13 setores e presença em mais de 30 países – parceria no ramo dos petróleos.

Angola e os Emirados Árabes Unidos são parceiros na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), sendo a produção petrolífera prevista para o país africano este ano de 1,5 milhões de barris de petróleo por dia e para o país oriental de 2,93 milhões de barris de crudediários.

Fonte: Jornal Económico

Deixe o seu comentário