Plácido Domingo acusado de assédio sexual por nove mulheres

O cantor de ópera Plácido Domingo está a ser acusado de assédio sexual por nove mulheres, relatando à Associated Press episódios que recuam até aos anos 1980 e chegam até 2002. A estas, juntam-se ainda seis mulheres que se queixam de que Plácido Domingo as deixou “desconfortáveis” com os seus avanços sexuais.

As acusações partem de oito cantoras, das quais apenas uma, Patricia Wulf, permitiu a publicação do seu nome e de uma bailarina, que trabalharam com Plácido Domingo desde o início da década de 1980 e 2002.

publicidade

“Um almoço de trabalho não é estranho”, disse uma daquelas mulheres, uma cantora. “Alguém estar a tentar segura-te a mão durante um almoço de trabalho é estranho e pôr a mão no teu joelho é um pouco estranho. Ele estava sempre a tocar-me de qualquer maneira, sempre aos beijos”.

Em resposta à investigação da Associated Press, Plácido Domingo emitiu um comunicado negou os relatos feitos por aquelas mulheres, apontando para imprecisão nas histórias que agora surgem: “As alegações destas pessoas anónimas, que remontam a mais de 30 anos para trás, são perturbantes e, da maneira como foram apresentadas, imprecisas”.

Ainda assim, Plácido Domingo acrescentou que é “doloroso ouvir” que “perturbou” ou deixou “desconfortáveis” aquelas mulheres, apesar das suas “melhores intenções”.

“No entanto reconheço que as regras e padrões que hoje temos e devemos ter em conta são muito diferentes do que eram no passado. Tive a bênção e o privilégio de ter uma carreira com mais de 50 anos em ópera e vou obrigar-me aos mais alto padrões”, disse o cantor, conhecido também por fazer parte dos Três Tenores, dos quais também faziam parte José Carreras e Luciano Pavarotti.

Plácido Domingo prometia papéis e depois avançava

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

De acordo com o que disseram à Associated Press, duas das mulheres acabaram por ceder aos avanços sexuais de Plácido Domingo, alegando que, por este ser à altura superior hierárquico, o fizeram para não prejudicarem as suas carreiras.

Apesar de Plácido Domingo chegar a prometer-lhes a atribuição de papéis de destaque nas óperas por ele dirigidas mas, no final de contas, muitas vezes isso nunca chegava a ser concretizado. Pelo contrário, Plácido Domingo acabava por não voltar a contratá-las.

As descrições das mulheres que falaram à Associated Press denunciam o ascendente que Plácido Domingo teria sobre cada uma delas, geralmente jovens cantoras em início de carreira. De acordo com os relatos, era frequente Plácido Domingo perseguir as mulheres das quais queria aproximar-se, esperando à porta dos seus camarins, pedindo-lhes boleias para casa e convidando-as para ensaiarem árias das óperas que o cantor espanhol dirigia. Os avanços não paravam, apesar de as mulheres recuarem perante os avanços de Plácido Domingo, para o qual começavam por olhar como “um Deus” ou “um herói” e acabavam depois por ver como um patrão que podia despedi-las caso lhe dissessem “não” de forma inequívoca.

A postura que agora estas mulheres atribuem a Plácido Domingo era um segredo mal guardado naquele meio profissional. “Existe uma tradição oral de se avisar as mulheres do Plácido Domingo”, disse uma cantora, que não faz parte do leque das que acusam o cantor. “Evitem interagir com ele a todo o custo. E de maneira alguma fiquem sozinhas com ele”.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário