Policia britânica detém três ex-banqueiros envolvidos na dívida oculta de Moçambique

kalola Store

As autoridades britânicas prenderam esta quinta-feira, em Londres, a pedido da Justiça dos Estados Unidos da América, três antigos banqueiros do Credit Suisse envolvidos nos empréstimos a empresas públicas moçambicanas, no âmbito da investigação às chamadas dívidas ocultas.

De acordo com as agências internacionais, que citam os procuradores da Justiça em Nova Iorque, a investigação, que envolve também o antigo ministro das Finanças moçambicano Manuel Chang, envolve a actuação de três antigos banqueiros que intermediaram empréstimos a empresas públicas moçambicanas realizados à margem das contas, no valor de mais de dois mil milhões de dólares.

Andrew Pearse, um antigo director do banco Credit Suisse; Surjan Singh, director no Credit Suisse Global Financing Group, e Detelina Subeva, vice-presidente deste grupo, foram detidos em Londres e enfrentam um pedido de extradição para os Estados Unidos da América, onde a Justiça investiga se os investidores foram deliberadamente enganados nos empréstimos.

No âmbito desta investigação, o antigo ministro das Finanças de Moçambique, Manuel Chang foi detido na África do Sul no dia 29 de Dezembro, quando tentava embarcar para o Dubai, na sequência de um pedido de extradição das autoridades norte-americanas.

A comunicação social moçambicana e estrangeira refere que o antigo governante, que é actualmente deputado da Assembleia da República, é acusado de conspiração para fraude electrónica, conspiração para fraude com valores mobiliários e lavagem de dinheiro.

Manuel Chang foi ministro das Finanças de Moçambique durante o Governo do Presidente Armando Guebuza , entre Fevereiro de 2005 e Dezembro de 2014. Então com o pelouro das Finanças, foi Manuel Chang que avaliou dívidas de mais de 2.000 milhões de dólares (1.760 milhões de euros) secretamente contraídas a favor da Ematum , da Proindicus e da MAM, empresas públicas ligadas à segurança marítima e pescas, entre 2013 e 2014.

A mobilização dos empréstimos foi organizada pelos bancos Credit Suisse e VTB.

Uma auditoria internacional deu conta da falta de justificativos de mais de 500 milhões de dólares (440 milhões de euros) dos referidos empréstimos, sobrefacturação no fornecimento de bens e inviabilidade financeira das empresas beneficiárias do dinheiro.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.