Porque hoje é Dia de África…

Porque hoje é Dia de África seria fácil dissertar sobre muito que já se fez e muito – mesmo muito – que ainda está por fazer.

Porque hoje ´Dia de África, em vez de prosa transviada, proponho-vos este poema que escrevi em 2006 e que considero ainda, e sempre, actual (por uma questão de interesse e de verdade, quero informar toda a poesia que escrevo está apresentada sob o pseudónimo Lobitino Almeida Ngola).

Aqui vos deixo o É Dia de África

É Dia de África!!!

Pois é…

como se o 25 de Maio

fosse o único dia que África necessita,

neste sistema sapal onde muitos se geram,

parecem, são…

filantes, sipaios, corruptos, decrépitos,

déspotas ou senis.

É Dia de África!!!

Pois é…

tal como os outros dias

onde a vergonha e falta de pudicícia

a apreensão e a sedição,

a míngua e a penúria,

o nepotismo e a corrupção,

a doença e a falta de prevenção,

em elegante harmonia coabitam.

É Dia de África!!!

Pois é…

com um povo famélico que clama,

ao Mundo que observa

impávido e pacato

sempre pronto nas oferendas

que nunca ou tarde, chegam…

É Dia de África!!!

Pois é…

para um Continente rico

em petróleo e recursos hídricos,

em veios auríferos e rios diamantíferos

mas…

uma cólera que se espalha

o sida que não pára

um paludismo endémico

um qualquer vírus que germina

um Continente mais que epidémico.

É Dia de África!!!

Pois é…

mas como gostava

que África fosse notícia ou novidade,

não por este dia, ou pela miséria,

não pela enfermidade ou corrupção;

não é por mais um entre 365 fúteis dias

de alguma normal reprodução

de um qualquer frívolo almanaque.

É Dia de África!!!

Pois é…

é tudo isso e muito mais que se não diz…

Mas é a minha África!!!!

por: Lobitino Almeida N’gola

(Lisboa, 24.Maio.2006)

NOTA! E porque Angola é África, e porque Angola está sempre, primeiro nos nossos pensamentos aproveito para vos alertar que hoje, às 17 horas, haverá no ISCTE-IUL, uma Mesa-Redonda sobre Angola e o Repatriamento de Capitais onde, ao contrário dos anteriores debates sobre este tema, os estudantes, em geral, e o público, em particular, vão ser os principais intervenientes na auscultação dos membros da Mesa.

*Investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL(CEI-IUL) e Pós-Doutorando da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto**

** Todos os textos por mim escritos só me responsabilizam a mim e não às entidades a que estou agregado

Deixe o seu comentário