Portugal: Mais de 60 organizações marcham contra o racismo

Mais de 60 organizações juntaram-se para promover aquela que alguns esperam tornar-se uma das maiores manifestações contra o racismo e que acontece em simultâneo neste sábado, 15 de Setembro, em Braga (Avenida Central/Chafariz), em Lisboa (Rossio/Largo de São Domingos) e no Porto (Praça da República).

Sob o mote Contra a brutalidade policial racista, junta associações com diferentes missões e mais antigas como o Moinho da Juventude, o SOS Racismo, a Plataforma Gueto, a Solidariedade Imigrante, a União Romani Portuguesa, a União de Mulheres Alternativa e Resposta ou a Letras Nómadas a grupos mais recentes como a Afrolis, a Casa do Brasil, a Consciência Negra, o Teatro Griot ou até ao Sindicato de Trabalhadores de Call Center.

Foi motivada por vários acontecimentos e muito pelo julgamento dos 17 polícias da Esquadra de Alfragide acusados de tortura e racismo a seis jovens da Cova da Moura, e que está a decorrer no Tribunal de Sintra, explica Anabela Rodrigues, do Grupo de Teatro do Oprimido, de Lisboa, uma das promotoras.

“Estamos a assistir a um julgamento em que, pela primeira vez, uma esquadra inteira está no tribunal por causa de atitudes racistas a jovens negros, consequência do racismo institucional no nosso país. A manifestação serve para alertar a nível nacional que isto está a acontecer, é um momento histórico”, diz.

A activista espera, assim, que seja “uma das melhores e maiores concentrações de sempre” com aquele mote feita pelos próprios colectivos.

“É um alerta para que não se repitam as situações que levaram a este julgamento. Por outro lado, há uma lei anti-racismo que foi publicada há um ano e que não tem eficácia”, afirma a activista.

Fonte: Público

Deixe o seu comentário